Companhia de teatro A Barraca faz 35 anos

A Barraca celebra o seu 35.º aniversário no dia 4 de Março, sexta-feira, com uma sessão especial da peça 'Angel City', de Sam Sheppard, encenada por Rita Lello.

A festa inicia-se às 21h30 com a evocação de duas figuras que fizeram parte da história do grupo: a actriz Fernanda Alves e o dramaturgo e encenador Augusto Boal. Segue-se a última representação da peça 'Angel City'. E, no final, haverá um brinde com a participação de toda a companhia.

Fundada pela actriz e encenadora Maria do Céu Guerra com o cenógrafo Mário Alberto, A Barraca foi uma das principais companhias portuguesas do pós-25 de Abril. O primeiro espectáculo, 'A Cidade Dourada', estreou em Março de 1976 na Incrível Almadense. Em Setembro desse ano, apresentou 'História de Fidalgotes', uma dramaturgia de Hélder Costa, que ainda hoje está no grupo. O brasileiro Augusto Boal, que então vivia em Portugal, foi um dos principais colaboradores da Barraca durante o ano de 1977 e influenciou bastante o trabalho da companhia. Foi também ali que se revelou o actor Mário Viegas.

Nos anos 80, A Barraca apresentou alguns dos seus maiores êxitos, como 'Santa Joana dos Matadouros', de Brecht (1984), ou 'Calamity Janes' (1986), com uma interpretação bastante elogiada de Maria do Céu Guerra. Em 1989 a companhia instalou-se no Cinearte, em Lisboa, onde tem também apostado na dinamização do café-concerto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)