Companhia de teatro A Barraca faz 35 anos

A Barraca celebra o seu 35.º aniversário no dia 4 de Março, sexta-feira, com uma sessão especial da peça 'Angel City', de Sam Sheppard, encenada por Rita Lello.

A festa inicia-se às 21h30 com a evocação de duas figuras que fizeram parte da história do grupo: a actriz Fernanda Alves e o dramaturgo e encenador Augusto Boal. Segue-se a última representação da peça 'Angel City'. E, no final, haverá um brinde com a participação de toda a companhia.

Fundada pela actriz e encenadora Maria do Céu Guerra com o cenógrafo Mário Alberto, A Barraca foi uma das principais companhias portuguesas do pós-25 de Abril. O primeiro espectáculo, 'A Cidade Dourada', estreou em Março de 1976 na Incrível Almadense. Em Setembro desse ano, apresentou 'História de Fidalgotes', uma dramaturgia de Hélder Costa, que ainda hoje está no grupo. O brasileiro Augusto Boal, que então vivia em Portugal, foi um dos principais colaboradores da Barraca durante o ano de 1977 e influenciou bastante o trabalho da companhia. Foi também ali que se revelou o actor Mário Viegas.

Nos anos 80, A Barraca apresentou alguns dos seus maiores êxitos, como 'Santa Joana dos Matadouros', de Brecht (1984), ou 'Calamity Janes' (1986), com uma interpretação bastante elogiada de Maria do Céu Guerra. Em 1989 a companhia instalou-se no Cinearte, em Lisboa, onde tem também apostado na dinamização do café-concerto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.