Serralves em festa no sábado e no domingo

As 40 Horas de Serralves em Festa estão já a decorrer com o habitual calcorrear de milhares de pessoas pelos caminhos e jardins da fundação, que este ano celebra um quarto de século, dez anos mais que o museu.

Esta é, portanto, "uma festa dentro de uma grande festa", nas palavras de Cristina Passos, gestora do projeto Serralves em Festa, para quem os 25 anos são "um marco inultrapassável" que devem ser celebrados com o desfrutar das actividades disponíveis nos 18 hectares dos jardins da Fundação, num projeto feito de "cumplicidades e parcerias, de públicos e comunidade".

Para a diretora do projeto das 40 Horas de Serralves, que considera ser uma "tarefa ingrata" salientar atividades, há, contudo, que destacar "o circo, com uma proposta de malabarismo de uma companhia inglesa, hoje e domingo à noite, o concerto de jazz de domingo às sete da tarde da Sun Ra Arkestra e toda a programação que prossegue em contínuo", num universo de mais de 250 eventos.

A Fundação está também a levar a cabo um "pedido de contactos para que as pessoas levem um bocadinho de Serralves consigo", explicou Cristina Passos, referindo que "basta que as pessoas deixem os seus contactos de 'e-mail' para receber em troca um 'voucher' de entrada na Fundação até ao dia 31 de dezembro de 2014".

Abordados durante um passeio pelos diversos corredores de árvores dos jardins de Serralves, Christopher e Paula Maughan revelaram à Lusa que vieram de Leicester, Inglaterra, para conhecer o festival por motivos de investigação.

Christopher, de 62 anos, estuda festivais. "É a minha área académica", diz à Lusa, explicando que procura compreender "o que os faz funcionar."

Na sua opinião de perito, "este é um festival muito especial, com todos os seus diferentes elementos".

"É a diversidade entre as atividades que há aqui, o 'poutpourri', a mistura entre a dança, música, artes visuais, mas também o cenário envolvente. É um parque maravilhoso que aqui têm e penso que usá-lo desta forma revela o bom trabalho que a organização e a cidade estão a realizar", disse à Lusa.

"E é de graça. E milhares de pessoas vêm cá. Penso que vamos passar um lindo dia", considerou.

Já para Jorge Costa, natural do Porto e acompanhado da filha adolescente e do filho mais novo, Serralves só peca por "abrir-se tão pouco ao público", pelo que aproveita as 40 Horas "pelas oficinas, que é o que eles mais gostam e fazem desde sempre, e porque é um dia bem passado".

Acabadas de participar num espetáculo de dança contemporânea, Daniela Jesus e Catarina Maia, de 19 e 18 anos, disseram à Lusa que pretendem aproveitar tanto o dia como a noite de Serralves em Festa, embora nem conheçam a maior parte do programa.

"O que nos tem atraído mais são os espetáculos mais relacionados com circo e teatro, que é a nossa área", dizem, relevando também "a natureza, o espaço" como motivos para se deixarem ficar pelos jardins da Fundação.

O programa da 11ª edição do Serralves em Festa reúne dezenas de espectáculos sob o mote "Terreno Comum". As 40 Horas - das 08:00 de 31 de maio às 00:00 de 02 de junho - deverão ser preenchidas com "música, dança, teatro, performance e circo contemporâneo", para além de exposições no Museu, cinema, vídeo, fotografia e oficinas para os mais novos.

ACYS // CC

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?