Violinista Carlos Damas atua no sábado em Macau

O violinista português Carlos Damas sobe no sábado ao palco do teatro D. Pedro V, em Macau, para um concerto com a pianista Jill Lawson e com o quarteto de corda da Orquestra de Macau.

Integrado no programa en-Cantos, a quinzena cultural de Portugal em Macau, Carlos Damas vai tocar durante o concerto, dividido em duas partes, obras do compositor português José António Fragoso e uma obra do compositor francês Ernst Chausson.

"Na primeira parte estarei eu e a pianista Jill Lawson em palco para tocarmos obras de José António Fragoso e na segunda parte teremos a colaboração do quarteto de cordas da Orquestra de Macau para a obra muito complexa de Ernst Chausson", explicou Carlos Damas à agência Lusa.

No pequeno teatro, classificado como Património da Humanidade pela UNESCO, Carlos Damas promete "música e prazer em palco" e uma "experiência inédita" no género de música que será tocado com a partilha do palco de músicos ocidentais e orientais.

"É um evento inédito neste âmbito porque nunca houve um projeto que juntasse músicos locais e portugueses", disse, ao salientar ter "sempre existido", neste género musical, "uma barreira entre as duas culturas".

Ao longo do espetáculo, Carlos Damas espera "proporcionar prazer ao público" e conseguir uma "partilha agradável para toda a gente, tanto para músicos como para a assistência".

"É isso que vamos tentar obter", salientou.

Carlos Damas tem vindo nos últimos anos a consolidar a carreira internacional.

Natural de Coimbra, onde começou o seu percurso musical no conservatório local, Carlos Damas viveu e estudou também em Paris, onde aprendeu com alguns dos melhores mestres do violino.

A primeira vez que subiu ao palco tinha 15 anos e estava acompanhado pela Orquestra da RDP, mas a estreia, em 1997, foi em Paris num concerto para violino do compositor português Luís de Freitas Branco.

Apesar de ter vivido em Macau na década de 1990, Carlos Damas não pensa, para já, regressar à cidade porque não pode nem quer interromper a sua carreira internacional, mas garante que voltará "sempre que surgirem oportunidades para atuar".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.