Vilar de Mouros com novidades e alguns regressos

Depois de oito anos de ausência, o mais histórico dos festivais de Portugal, Vilar de Mouros, regressa nos dias 31 de julho, 1 e 2 de agosto, com seis estreias e sete repetentes.

Entre os estreantes encontram-se José Cid (esteve em 1971, mas com o Quarteto 1111), Trabalhadores do Comércio (o vocalista e guitarrista Sérgio Castro esteve em 2006, com a Banda de Poi), La Union, Pedro Abrunhosa, Capitão Fausto e Deolinda.

Já os repetentes desta edição são os The Stranglers (1982), Tricky (2003 e 2006), UB40 (2002), Xutos & Pontapés (1996, 2001 e 2006), Blind Zero (2001), Blasted Mechanism (2003) e Guano Apes (2003).

O festival minhoto abre portas aos campistas a 30 de julho, a partir das 18.00, estando prevista animação com DJs nesta receção de entrada gratuita. As atuações arrancam no dia seguinte com UB40, La Union, Blind Zero, Trabalhadores do Comércio e Capitão Fausto. O segundo dia, 1 de Agosto, conta com atuações de Pedro Abrunhosa, The Stranglers, Blasted Mechanism e José Cid. No último dia sobem ao palco os Guano Apes, Xutos & Pontapés, Tricky e os Deolinda.

Os bilhetes diários custam 30 euros enquanto o preço do passe para os três dias, com campismo incluído, é de 60 euros.

O festival, organizado pela Fundação AMA (Associação dos Amigos dos Autistas), em colaboração com a Câmara da Caminha e a junta de Vilar de Mouros, regressa este ano com uma enorme componente social, com os seus lucros a reverterem para a construção do primeiro edifício multifuncional de apoio a pessoas com autismo, em Viana do Castelo.

Fundado em 1971, o evento está confirmado até 2017, com a Fundação AMA como nova organizadora.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.