Sines dá volta ao mundo em nove dias

A 16.ª edição do festival, que começa sexta-feira e decorre até 26 de julho, contará com a presença de músicos representantes de mais de uma centena de países e regiões, incluindo os estreantes Irão, Zimbabué, Turquia e Coreia do Sul.

Em cartaz, multiplicam-se os países participantes, sendo que alguns deles estão de regresso, como é o caso do Conjunto África Negra, vindo de São Tomé e Princípe depois de ter feito parte do festival no final dos anos 80.

O festival que junta artistas dos quatro continentes, leva este ano ao Castelo figuras de destaque na música internacional, como Angélique Kidjo, do Benim, que irá atuar no fecho do festival - dia 26 (sábado) - pelas 23.15 e Mulatu Astatke, da Etiópia, que introduzirá uma vertente de ethio-jazz no dia 24 (quinta-feira), pelas 21.45.

Balkan Beat Box e Tigran fazem parte da lista de fusão musical entre culturas que se pode assistir em Sines. A atuar respetivamente a 26 e 25 de julho, representarão, cada um, os Estados Unidos/ Arménia e Israel/Estados Unidos.

Mas não só de concertos se faz o Festival Músicas do Mundo: desde a Feira do Disco e do Livro a acontecer entre 21 e 26 de julho, na Capela da Misericórdia, até às sessões de cinema documental - entre 23 e 26 - a decorrer no auditório do Centro de Artes, onde se apresentarão trabalhos como "Timnadine Songs", de Caitlin M. Roger e "KORA", de Jorge Correia Carvalho, muitas serão as atividades lúdicas disponíveis juntamente com a habitual animação de rua.

Portugal não ficará fora deste encontro de culturas, estando agendados sete espetáculos de música portuguesa para esta edição do festival, entre eles Júlio Pereira representará o folclore e o mundo do cavaquinho, enquanto Gisela João e Zé Perdigão darão a conhecer o 'nosso' fado.

Este ano as novidades passam pelo regresso do festival a Porto Covo entre os dias 18 e 20 deste mês, havendo um palco no Largo Marquês de Pombal. Quanto ao palco da praia, em Sines, apresenta-se com área renovada, disponibilizando um passeio marítimo na Avenida Vasco da Gama.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.