Os 30 anos de carreira de Rui Veloso vistos pelo canal BIO

Rui Veloso, conhecido como o "pai do rock português", foi escolhido pelo canal temático BIO para ser a próxima personalidade a homenagear com um documentário biográfico que será apresentado no dia 8 de Abril.

"A escolha de Rui Veloso está relacionada não só com o facto de se tratar de uma figura incontornável no panorama musical português, mas também porque este ano representa um importante marco no seu percurso profissional", disse hoje Aurora Esteban, directora de programação do BIO, à Agência Lusa.

Para a responsável do BIO, este trabalho pareceu "uma excelente forma de assinalar os 30 anos de uma carreira brilhante, recheada de sucessos".

Um dos incontornáveis da música portuguesa, Rui Veloso celebra, este ano, 30 anos de carreira a solo, pontuada por algumas colaborações esporádicas como é o caso dos Rio Grande, projecto onde colaborou com outros grandes nomes da música, como Tim, Jorge Palma, Vitorino e João Gil.

O percurso do intérprete de "Chico Fininho", "Porto Sentido, "Não há Estrelas no Céu" ou "Lado Lunar" confunde-se com o de Carlos Tê, o autor das letras da maior parte das composições e o seu grande e parceiro de trabalho ao longo dos anos.

A apresentação da biografia, que contará com a presença de familiares e amigos do cantor portuense, além de Rui Pinto de Almeida, o realizador do documentário, está marcada para 8 de Abril, às 12:00, no restaurante D. Tonho, no Porto.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.