XV TUIST decorre dia 10, no Coliseu dos Recreios

As comemorações do 17.º aniversário da Tuna Universitária do Instituto Superior Técnico (TUIST) trazem de volta à capital portuguesa o Festival Internacional de Tunas "Cidade de Lisboa", que este ano se realiza no dia 10 de Abril, no Coliseu dos Recreios.

Apesar de o festival não ter este ano nenhum tema, as apresentações terão como pano de fundo o amor, disse à Lusa fonte da organização.

Realizando-se habitualmente em dois dias, o XV TUIST - Festival Internacional de Tunas "Cidade de Lisboa" foi novamente condensado em apenas um, tal como aconteceu no ano passado.

A justificação passa pelos elevados custos associados não só ao espectáculo mas também à alimentação e ao alojamento dos participantes.

A TUIST optou por realizar o festival apenas numa noite, podendo assim "garantir a qualidade do espectáculo", acrescentou a mesma fonte.

No festival deste ano estarão representadas as tunas mais conceituadas do país, que representam as diversas Academias portuguesas.

No sábado, vão estar em palco a Azeituna (Tuna de Ciências da Universidade do Minho), a Estudantina Universitária de Coimbra, a Estudantina Universitária de Lisboa e a Tuna de Engenharia da Universidade do Porto.

Naquele que é considerado no meio académico como o maior e mais conceituado festival de tunas da cidade de Lisboa vão ainda actuar, extra-concurso, a anfitriã TUIST, a sua madrinha T.A.E (Tuna Académica do Liceu de Évora) e a sua afilhada T.F.I.S.T (Tuna Feminina do Instituto Superior Técnico).

Este ano, o festival terá uma parte mais focada na tuna organizadora, estando para si reservada a segunda parte do espectáculo, de forma a apresentar ao público uma actuação mais completa.

O festival termina com a Festa da Primavera (noite 80's), na Alameda do Instituto Superior Técnico.

Na véspera do festival, sexta feira (dia 9), realiza-se no Instituto Superior Técnico a Festa da Primavera (Noite Popular), com início marcado para as 23:00 e entrada livre.

 

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.