U2 retomam digressão europeia com Bono recuperado

Os irlandeses U2 preparam-se para retomar na próxima sexta feira na cidade italiana de Turim a sua digressão europeia, '360º', depois de uma lesão na coluna sofrida pelo vocalista, Bono, ter obrigado ao adiamento de algumas actuações.

Com o regresso de Bono aos palcos, mantêm-se os já há muito esgotados concertos da banda em Portugal, agendados para 02 e 03 de outubro no Estádio da Cidade de Coimbra.

Bono Vox reuniu-se no domingo aos restantes membros do grupo para iniciar os ensaios no estádio olímpico de Turim, onde já está montado o monumental palco futurista que acompanhou a banda na primeira parte da digressão de apresentação do seu último álbum, 'No Line on the Horizon'.

Milhares de fãs concentraram-se nas imediações do estádio olímpico para ouvir algumas das canções que integrarão o repertório do concerto, que se prevê muito semelhante ao das mais recentes actuações do grupo.

'Elevation', 'Bad' e 'Where the Streets Have no Name' são alguns dos clássicos ouvidos nas últimas horas na capital piemontesa, onde a banda irlandesa poderá apresentar na sexta feira músicas inéditas ou outras excluídas dos anteriores discos, como 'Winter', que aparece na banda sonora do filme 'Brothers' e será um dos temas do seu próximo álbum, 'Songs of the Ascent'.

O concerto de Turim poderá ainda servir de 'montra' para 'Every Breaking Wave', a antecipação do single de 'Songs of the Ascent', também descartada de 'No Line on the Horizon'.

Acima de tudo, os fãs aguardam ansiosamente para ver Bono recuperado de uma intervenção cirúrgica devido a uma lesão na coluna vertebral que sofreu em maio durante ensaios e que obrigou a banda a interromper a digressão.

The Edge, Adam Clayton, Larry Mullen e, desde domingo, Bono encontram-se alojados na localidade de Pinerolo, nos arredores de Turim, na 'Villa Doria, Il Torrione', uma casa rural com parque, piscina, helicóptero e um cozinheiro à disposição, noticiou hoje o diário italiano Il Messaggero.

Segundo o jornal romano, depois do concerto de sexta-feira, os U2 celebração nessa villa o aniversário do guitarrista, The Edge, que completa no próximo domingo 59 anos.

Veja aqui a página oficial dos U2

Veja o vídeo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.