David Fonseca de volta aos Coliseus

Já passaram "dez anos muito preenchidos", desde que David Fonseca se estreou a solo, mas "grande parte das coisas ainda está para acontecer", comenta o músico na véspera de atuar nos coliseus de Lisboa e Porto.

O músico regressa àquelas duas salas - sábado, em Lisboa, e dia 9, no Porto - para apresentar o álbum "Seasons", composto pelos discos "Rising" e "Falling", mas, na verdade, vai aproveitar para olhar para o passado, para os dez anos em que assina música em nome próprio, depois do fim dos Silence 4.

Nestes dez anos, David Fonseca editou cinco álbuns, um DVD ao vivo, participou no projeto Humanos, deu dezenas de concertos, reinventando-se ao vivo, de norte a sul do país, e manteve acesa a criatividade na fotografia e na imagem em movimento.

"Fiz tantas coisas, até tenho dificuldade em compreender como é que cabem em dez anos. Eu acho que grande parte das coisas ainda está para acontecer. Não tenho essa sensação de que estou há muito tempo. Agora é que estou a começar qualquer coisa", afirmou.

Os dois concertos nos coliseus terão um alinhamento especial, possivelmente com convidados, com versões - como a do tema "Lithium", dos Nirvana - e refletem uma escolha transversal por todos os discos, desde "Sing me something new", de 2003.

Nessa altura, da estreia discográfica, depois do sucesso dos Silence 4, David Fonseca "recusava muito a ideia de ser músico e de continuar a fazer aquilo como profissão".

A mudança só se deu em 2007, quando saiu "Dreams in colour", um dos discos que teve mais impacto e, possivelmente, mais vendas, e que o conduziu a um concerto esgotado no Coliseu de Lisboa, convertido em DVD.

Em dez anos, David Fonseca nota mudanças, sobretudo na forma como as pessoas vivem e escutam música.

"O que é o sucesso hoje é muito difícil de medir. Podes ter muito sucesso e não vender quase discos nenhuns. Podes não ter muito sucesso radiofónico, e vender muitos discos", argumentou.

O músico tem hoje muito mais contacto com o público, nos concertos e nas redes sociais, mas possivelmente vende menos discos.

"É estranho que a minha página de Facebook tenha 220 mil pessoas associadas. Soa mesmo estranho ter muitas pessoas interessadas. Eu acho estranho. É um número gigantesco. A última vez que uma banda em Portugal vendeu 200 mil discos, foi com os Silence 4 em 1998. Nunca mais aconteceu. Eu tenho 200 mil pessoas no Facebook, mas não tenho 200 mil pessoas a comprar os meus discos", sublinhou.

Depois dos coliseus de Lisboa e Porto, David Fonseca prossegue a digressão com o álbum "Seasons", que incluirá concertos em Madrid e Barcelona, em abril.

"Seasons", disco de ouro em Portugal, que conta com a participação da cantora brasileira Mallu Magalhães, tem garantia de edição, ainda sem data, no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.