Cantora de jazz Sofia Ribeiro lança álbum "Porto"

A cantora de jazz Sofia Ribeiro, que aos 32 anos ganhou já vários prémios internacionais na área da música, lança sexta-feira, dia 7, no Auditório de Espinho o seu terceiro álbum, "Porto", que diz cheio de referências aos locais por onde a sua carreira tem viajado.

Uma dessas escalas é a cidade do Porto -- já que Sofia Ribeiro nasceu em Lisboa mas, antes de se mudar para Paris, sempre viveu em Gaia -- e outra paragem de referência é Boston, onde a cantora conheceu o contrabaixista e compositor Gui Duvignau, que a acompanha no disco e assume também a sua produção e direção artística.

"Este álbum é sobre um ponto de partida e de chegada", revela à Lusa a cantora. "Foi gravado em Paris, misturado no Rio de Janeiro, impresso no Luxemburgo e está cheio de influências dos sítios por onde passámos. Atravessou o Atlântico, combina temas originais com canções do Brasil e de Portugal, e foge completamente ao que é o jazz clássico".

Para Sofia Ribeiro, o disco que sucede a "Dança da Solidão" (2005) e "Orik" (2008) é também um "Porto" de emoções em que as palavras assumem particular importância.

"Nem sempre canto com letra, mas dou muito valor à poesia e às histórias contadas através da música", admite a artista. "Gosto de criar emoções -- que não têm necessariamente que ser positivas ou negativas -- e essa é uma das coisas que mais me alicia".

Um dos principais momentos do concerto de lançamento de "Porto" deverá, aliás, ser a reinvenção a 10 vozes do tema "Era um redondo vocábulo", de Zeca Afonso, numa opção que Sofia Ribeiro considera distintiva do seu estilo.

"Cada vez canto mais em Português, com influências do fado e da nossa outra música, e isso confere-me uma sonoridade diferente do jazz convencional", explica. "Claro que também tenho os meus momentos de «scat», mas sou mais de misturar a música portuguesa com um bocadinho de pop e outros estilos.".

Sofia Ribeiro começou a cantar aos 11 anos no Coral Juvenil de Gaia e conciliou depois o Conservatório de Gaia e a Escola de Jazz do Porto com uma licenciatura em Terapia Ocupacional. Ingressou então na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), começando por estudar Canto Lírico para depois concluir o primeiro curso dessa escola em Canto Jazz.

Em Barcelona, num intercâmbio que a levou à Escola Superior de Música da Catalunha, conheceu Marc Demuth, o contrabaixista luxemburguês com quem gravou os seus primeiros álbuns. Seguiu-se o Berklee College of Music de Boston -- que lhe atribui a bolsa de mérito "Oliver Wagmann Memorial Scholarship", para "uma cantora extraordinária que demonstrou excelência académica" -- e daí passou ao Mestrado em Canto Jazz que iniciou no Conservatório de Bruxelas e, pelo programa Erasmus, terminou no de Paris.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.