Always Drinking Marching Band são cabeça de cartaz

Os catalães Always Drinking Marching Band são a principal atracção do Ritmus/09 - Festival de Música do Mundo, que decorre em Ponta Delgada entre 13 e 15 de Agosto com dois espectáculos por noite.

O festival abre com um concerto de Jaime Goth, acompanhado pelo Projecto Raízes Mistas, que apresentará o melhor da música afro-cabo-verdiana, seguindo-se a actuação dos Katharsis, banda que reúne vários sonoridades, do country ao celta, passando pelo reggae e pelo ska.

No segundo dia, sobe ao palco o grupo açoriano Cantares d'Outrora, que possui um repertório de músicas do cancioneiro popular e tradicional português, a que se seguem os Skalibans, um grupo com uma sonoridade variada, que inova pela utilização do trompete e do trompete de varas.

O último dia do Ritmus/09 abre com Luís Gil Bettencourt, um dos mais conhecidos músicos açorianos, estando o concerto de encerramento a cargo dos Always Drinking Marching Band, que integra músicos e actores profissionais num espectáculo onde a música e a diversão se conjugam.

Na apresentação do programa para este ano, Carlos Decq Mota, da empresa municipal ANIMA, salientou que o festival pretende "mostrar a diversidade das expressões musicais", permitindo ao público "descobrir novas músicas e novas culturas".

Por seu lado, Berta Cabral, presidente da Câmara de Ponta Delgada, salientou que este "projecto arrojado e inovador", lançado há três anos, se integra numa estratégica para "transformar Ponta Delgada numa cidade mais cosmopolita do ponto de vista cultural".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.