A Naifa em digressão pelo país

O grupo A Naifa vai estar em digressão pelo país a partir de março com o novo álbum, "não se deitam comigo corações obedientes", o primeiro desde a morte do músico João Aguardela, e que será disponibilizado em fevereiro.

O grupo de Luís Varatojo e Mitó tem, para já, cerca de uma dezena de concertos marcados entre março e maio, segundo nota de imprensa divulgada à Lusa, o primeiro em Arcos de Valdevez a 02 de março, e o último no Faial, Açores, a 05 de maio.

Pelo meio há ainda concerto no Theatro Circo de Braga (03 março), Teatro Municipal São Luiz (Lisboa, 07 de março), Casa da Música (12 de abril) ou Teatro Municipal de Almada (20 abril).

"não se deitam comigo corações obedientes", com 11 canções compostas pelo grupo a partir de textos de Adília Lopes, Ana Paula Inácio, Margarida Vale de Gato, Maria do Rosário Pedreira e Renata Correia Botelho, é o primeiro que A Naifa edita depois da morte de João Aguarela, um dos fundadores do grupo, em janeiro de 2009.

O grupo esteve um ano sem tocar ao vivo e só regressou aos palcos em abril de 2010 para um concerto de homenagem a João Aguardela e com uma nova formação, que inclui Sandra Baptista (baixo), companheira de João Aguardela e ex-Sitiados, e Samuel Palitos (bateria).

Da formação original mantêm-se Luís Varatojo (guitarra portuguesa) e Maria António Mendes (voz).

Em declarações à agência Lusa, Luís Varatojo explicou que o processo de criação das novas canções "foi difícil, porque ele [João Aguardela] faz muita falta".

"Mas fomos descobrindo o caminho do disco e das novas canções", explicou, referindo que o trabalho entre os músicos foi simplificado pelo facto de serem todos amigos.

A identidade de A Naifa mantém-se, referiu Luís Varatojo.

Antes de chegar às lojas, o novo álbum terá edição digital através de uma aplicação gratuita para telemóveis, que permitirá ouvir progressivamente as canções novas.

Nos concertos, o grupo também terá à venda o álbum em CD e em vinil.

A estratégia tem a ver com a vontade do grupo de fazer chegar as canções ao público, contornando o facto das rádios passarem poucas vezes a música da Naifa e de as lojas nem sempre terem os discos disponíveis, explicou Luís Varatojo.

A versão física do álbum terá, na vertente gráfica, a participação do público, que foi convidado a ilustrar cada uma das onze novas canções.

A Naifa editou os álbuns "Canções Subterrrâneas" (2004), "3 Minutos Antes da Maré Encher" (2006) e "Uma Inocente Inclinação para o Mal" (2008).

Em 2010, a Naifa publicou o livro "Esta depressão que me anima", que reúne os poemas dos três álbuns, fotografias, ilustrações e textos escritos por amigos e admiradores anónimos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.