Editora Enchufada no palco do Optimus Alive

A sede da editora Enchufada é uma cave minúscula e invisível para quem passa à porta, no coração de Lisboa, mas a música que de lá sai já percorreu meio mundo e aterra na sexta-feira no festival Optimus Alive.

A editora foi convidada a programar uma noite de actuações num dos palcos do Optimus Alive, no Passeio Marítimo de Algés, e o que vai acontecer na sexta feira é uma apresentação ao vivo de alguns dos artistas que colaboram ou já editaram pela Enchufada.

Entre DJ set e concertos, pelo palco Optimus Clubbing vão passar os portugueses Macacos do Chinês, Octa Push, Paus, que acabam de editar o EP "É uma água", e Zombies for Money, dupla formada por DJ Manaia e DJ Klipar.

Os cabeças de cartaz desta noite serão o produtor e DJ filipino Laidback Luke e o músico britânico Beni Adejumo, conhecido como Benga, aos quais se junta ainda o produtor inglês Sinden.

Não faltarão ainda os Buraka Som Sistema, mas em versão de DJ set.
O denominador comum a todos é a Enchufada, a editora independente focada na música de dança e electrónica, atenta às novas tendências e apostada em inovar.

A editora foi fundada em 2004 por João Barbosa e Kalaf Ângelo, dois elementos dos Buraka Som Sistema, que na altura avançavam com uma edição dos 1-UIK Project.

'Durante um tempo foi um estúdio onde as pessoas sabiam que aqui se estava a fazer música o dia todo, independentemente do que estivesse a acontecer lá fora. Muita gente acabava por convergir para aqui', recorda o músico e produtor João Barbosa em entrevista à agência Lusa.

Depois surgiram os Buraka Som Sistema, um fenómeno na música portuguesa que apresentou ao circuito de clubes estrangeiros a palavra 'kuduro' e a editora teve que se moldar à medida das necessidades do grupo, sobretudo a nível internacional.

Hoje a Enchufada é uma microempresa com seis pessoas que trabalha em várias áreas, como a edição e produção discográfica e a promoção de artistas, e o facto de estar situada numa cave é apenas circunstancial, está também virada para o mundo através de uma janela chamada Internet.

'Nunca houve uma pressão para ser bem sucedido, se não houvesse dinheiro no mundo isto ia acontecer na mesma', defendeu João Barbosa.

Veja o vídeo dos Buraka Som Sistema

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG