António Chaínho celebra 45 anos de carreira

O guitarrista e compositor António Chaínho celebra os 45 anos de carreira sábado, no Parque Verde, pelas 22:00, em Santiago do Cacém, seu concelho natal, com os alunos da Escola de Guitarra Portuguesa.

Além dos alunos, o músico será acompanhado pela fadista Isabel Noronha, a cantora indiana Ruby e ainda Tiago Oliveira na guitarra clássica, Paulo Sousa na sitar, Manú Teixeira nas tablas e percussões e Carlos Barreto Xavier no teclado.

No espetáculo apresentará temas do seu mais recente álbum, 'LisGoa'.

'A mim o que mais me comove são as homenagens', disse à Lusa o guitarrista que justificou: 'talvez por nunca estar à espera, ou quando comecei não ter imaginado sequer o que já me aconteceu'.

O mestre da guitarra portuguesa recordou a homenagem do seu concelho quando inaugurou a 23 de maio do ano passado um auditório construído de raiz que ostenta o seu nome, e quando foi o primeiro natural de Santiago do Cacém, a receber a medalha de ouro da cidade.

'A minha festa dos 30 anos foi também muito bonita, esteve presente o Presidente da República, Mário Soares, a escritora Lídia Jorge, o pensador Eduardo Lourenço e vários colegas como os Madredeus', lembrou.

Outra homenagem que recordou foi a realizada pela Universidade de Bangalore na Índia. 'Fiquei impressionado com aquela gente toda a falar de mim e da guitarra portuguesa', disse.

Os alunos da escola de música, fundada com o apoio de Chaínho há cinco anos, farão a primeira parte. 'Estão muito nervosos pois vão apresentar-se pela primeira vez em público', disse.

'A guitarra portuguesa precisa de jovens que a tornem reconhecida, o fado já está muito divulgado, agora a guitarra portuguesa ainda não tanto', afirmou.

O músico salientou que tem contribuído para esse reconhecimento 'cá e além fronteiras'. 'Nenhum músico até hoje levou a guitarra portuguesa tão longe e a tanto lugares como eu, nem mesmo o Carlos Paredes que foi um génio e que merecia ter sido mais apoiado, mas de facto nós não temos apoios alguns', afirmou.

'Eu acredito na guitarra portuguesa que tem uma sonoridade absolutamente diferente de todos os instrumentos de cordas', referiu.

O álbum 'LisGoa' em que explora pontos de encontro de sonoridades fadistas com indianas será o mote para a segunda parte.

O guitarrista é natural de S. Francisco da Serra e ao longo da carreira distinguiu-se como acompanhante, designadamente de Carlos do Carmo, com quem trabalhou durante 25 anos, e nos últimos anos tornou-se sobretudo solista.

Como solista tem-se apresentado nos mais diferentes palcos internacionais. Recentemente actuou em Goa, no Festival do Monte, em Bangalore, no East-West Music Encounter, em Washington no II Ibero American Guitar Festival, ou recentemente na Expo Xangai 2010.

Adriana Calcanhotto, Maria Bethânia, José Carreras, KD Lang ou Paco de Lucía, são alguns dos músicos com os quais colaborou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG