Oito anos para traduzir "Os Lusíadas" em língua mirandesa

O investigador Amadeu Ferreira acaba de traduzir o épico de Luís de Camões, "Os Lusíadas", para a língua mirandesa, após oito anos de trabalho.

Amadeu Ferreira revelou à Lusa que a obra será apresentada a 17 de Setembro numa cerimónia promovida pela Câmara de Miranda do Douro, inserida nas comemorações do Dia da Língua Mirandesa, onze anos após o reconhecimento como língua oficial em Diário da República.

A edição em mirandês de 'Os Lusíadas' terá a chancela da Editora Âncora e Amadeu Ferreira assina com o pseudónimo de Fracisco Niebro.

A tradução tem o prefácio de Ernesto Rodrigues, professor na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

O especialista em mirandês afirmou que 'os poemas cantados por Camões foram uma epopeia dos portugueses e, entre os portugueses, havia gente que possivelmente falava mirandês'.

Amadeu Ferreira avançou que 'todas a estâncias do poema foram vistas e revistas ao pormenor' e que 'só nos últimos três anos é que a tradução ficou concluída'.

O autor acrescenta que leu 'muitas traduções de vários autores que serviram de apoio à tradução de 'Os Lusíadas' para mirandês, inclusive em latim'.

O trabalho, sublinha, 'não foi fácil na primeira fase', uma vez que 'sempre tentei aproximar-me da forma mais fiel do original'.

 O investigador comentou as dificuldades na tradução: 'Nas estâncias tentei manter a rima, a métrica, a acentuação tanto na sexta como na décima sílaba, toda o ritmo e musicalidade do poema se aproxima do original'.

Amadeu Ferreira lançou, no ano passado a edição de 'Os Lusíadas' em banda desenhada da autoria de José Ruy, traduzida para a língua mirandesa.

Além de 'Os Lusíadas', a dupla Amadeu Ferreira/José Ruy concluiu, também em banda desenhada, 'História de um povo e de uma língua', que conta as aventuras e desventuras do povo mirandês e da sua peculiar forma de comunicar.

Amadeu Ferreira, que é vice-presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), é um dos maiores especialistas em língua mirandesa e publicou centenas de crónicas em mirandês no Público e Jornal Nordeste.

Outro dos trabalhos emblemáticos de Amadeu Ferreira é a tradução para mirandês de três histórias de Astérix e dos Quatro Evangelhos da Bíblia. Tem ainda em curso a publicação, em parceria com José Pedro Ferreira, de um dicionário de mirandês-português.

Veja o vídeo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)