Encontro literário da lusofonia em Montemor-o-Velho

O 1.º Encontro Literário de Montemor-o-Velho decorre no sábado e no domingo naquela vila do Baixo Mondego e junta escritores, poetas e artistas plásticos de países lusófonos, divulgou a autarquia.

Do lote de participantes, constam os escritores Rui Zink (Portugal), Maria Celestina Fernandes (Angola), Valentino Viegas (Goa, Índia) e Izabelle Valladares (Brasil), o poeta Arménio Vieira, primeiro cabo-verdiano a receber o Prémio Camões (2009), o ilustrador português Paulo Galindro, escritor e poeta galego Xurxo Nóvoa Martins, e o pintor moçambicano Roberto Chichorro.

Intitulado "Munda Lusófono", referência do rio Mondego no tempo dos Romanos, o encontro "é o ponto de partida para uma viagem pela literatura de língua portuguesa espalhada por vários continentes", lê-se na nota de apresentação do evento.

Promovido pela autarquia de Montemor-o-Velho com coordenação da escritora Lurdes Breda, o "Munda Lusófono" consta de três trechos programáticos - dois no sábado e um no domingo - uns destinados aos autores convidados e aos que se inscrevam na iniciativa, outros abertos ao público em geral.

No sábado, na Quinta do Taipal, a partir das 15:00, Jair Chiulele, presidente da Casa de Moçambique de Coimbra, fará a apresentação dos autores, seguindo-se uma mostra de livros e sessões de autógrafos.

Às 21:30, na Igreja de Santa Maria de Alcáçova, no Castelo de Montemor-o-Velho, decorre o espetáculo de fado "Trovas Lusófonas", acompanhado de leituras de textos pelos autores participantes.

Domingo, às 12:00, a iniciativa "Versos e Flores à Musa do Munda" consta de uma nova leitura de textos, desta vez junto ao rio Mondego, na povoação de Formoselha, com a participação do grupo de música popular Trigainas.

À tarde, na Biblioteca Municipal Afonso Duarte, haverá um momento lúdico através do contador de histórias José Craveiro, música com o cantor brasileiro Marcos Assumpção, repetindo-se a mostra de livros e sessões de autógrafos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?