Suite Francesa

Leia a crítica de João Lopes ao novo filme de Saul Dibb.

JOÃO LOPES (Classificação 2/5)

Revisitando a França sob ocupação

Escusado será dizer que a vibração emocional que há neste filme se deve, antes de tudo o mais, ao romance de Irene Némirovsky que adapta: Suite Francesa é a obra (incompleta) de uma ucraniana de origem judaica que nos legou um espantoso fresco sobre a França ocupada pelos nazis, antes de ser enviada para Auschwitz, onde seria morta no Verão de 1942. De acordo com uma lógica histórica de raízes mais ou menos televisivas, o filme tenta "condensar" a acção no caso de uma jovem francesa que se apaixona por um oficial alemão, procurando recuperar as nuances do clássico melodrama de guerra: por um lado, a realização de Saul Dibb raras vezes supera a competência de um academismo sem chama; por outro lado, há algumas boas interpretações, capazes de tratar as personagens para além de qualquer cliché, em particular de Matthias Schoenaerts e Kristin Scott Thomas.

Ficha de filme

Título original: Suite française

Realizador: Saul Dibb

Com: Michelle Williams, Kristin Scott Thomas, Matthias Schoenaerts

Ano: 2014

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.