Pára-me de repente o pensamento

A crítica de Rui Pedro Tendinha ao documentário de Jorge Pelicano

RUI PEDRO TENDINHA (Classificação 3/5)

Visita ou confissões no Conde Ferreira

Um ator e um cineasta num hospital psiquiátrico. O que sai daqui?

Pedrada no charco no cinema documental português. Jorge Pelicano volta a filmar um tema sem o naturalismo do costume, volta a ensaiar um artificialismo estetizante cujos acabamentos técnicos são verdadeiramente irrepreensíveis.. É saudável que apareçam desvios como este numa paisagem onde a maioria dos documentários faz gala em mostrar sinais de pobreza e em exibir uma certa ineficácia técnica. Pára-me de Repente o Pensamento é uma visita sem fantasmas ao Hospital Psiquiátrico Conde Ferreira, no Porto. Durante cerca de hora e meia vamos conhecer alguns doentes esquizofrénicos e as suas histórias. O cicerone é um ator, Miguel Borges, que vem de fora para entrar num espetáculo teatral com os doentes e, mais tarde, preparar uma peça sua acerca deste universo.

Ficha de Filme

Título Original: Pára-me de Repente o Pensamento

Realizador: Jorge Pelicano

Com: Miguel Borges

Ano: 2014

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.