Chiado recebe Semana 'Arte Viva' até dia 6

O Chiado vai ser palco, a partir de terça feira (dia 1) e até domingo (dia 6), de eventos que pretendem animar a zona lisboeta com as actividades na semana 'Arte Viva'.

Efervescência urbana, artística e literária , subdividido em exposições de arte pública e um ciclo de conferências são alguns dos eventos que irão dar vida ao Chiado.

Em declarações à agência Lusa, Joaquim Guerra de Sousa, presidente da junta de freguesia dos Mártires, uma das entidades envolvidas na iniciativa, afirmou que se trata de uma "semana especial" porque a 3.ª edição do Chiado na Moda, este ano sob o tema 'Arte Viva' vai mostrar as "várias facetas do Chiado da Moda".

 A exposição de arte pública é composta por "uma selecção de autores/estudantes do ciclo de mestrado e do ciclo de doutoramento em Pintura da Faculdade de Belas Artes (FBAUL), cujas obras integram projectos de arte pública no Chiado, disse à Lusa um dos responsáveis do evento José Quaresma, professor da FBAUL.

Durante a edição do Chiado na Moda 2010, a mostra estará patente nos seguintes espaços: Museu do Convento do Carmo, Basílica dos Mártires, Estação de Metro Baixa/ Chiado, Passeio Público, Praças Públicas, lojas e espaços comerciais.

A organização do ciclo de conferências é feita por "especialistas em História da Arte, Pintura, Literatura, Arte Contemporânea, Música, Dança, responsáveis da Academia Nacional de Belas-Artes, do Centro Nacional de Cultura, do Grémio Literário e do Museu da Cidade de Lisboa", realçou o professor.

As conferências terão como tema central a "importância do Chiado na história e no presente da vida artística e literária", assim como uma extensão sobre a "história da própria personagem Chiado", acrescentou o docente.

Chiado na Moda 2010 com o tema 'Arte Viva', que decorre de 01 a 06 de Junho, é um projecto da Junta de Freguesia dos Mártires em parceria com algumas das entidades mais representativas do Chiado.

Também a Academia Nacional de Belas-Artes, o Centro Nacional de Cultura, o Grémio Literário e o Museu da Cidade de Lisboa se associaram ao evento.


Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.