ColorAdd®, o código de cores para daltónicos

Miguel Neiva, professor da Universidade do Minho, criou um código de cores universal para daltónicos, o ColorAdd®, que foi já adoptado pela empresa de tintas CIN e despertou interesse internacional pela ajuda que dá às pessoas portadoras desta deficiência.

Em declarações à Lusa, Miguel Neiva, designer e mentor do projecto, adiantou que "o ColorAdd é um código gráfico monocromático, sustentado em conceitos universais de interpretação e desdobramento de cores, que permite aos daltónicos identificá-las correctamente".

"O conceito apoia-se nas cores primárias como ponto de partida (Cyan, Magenta e Amarelo) e no seu consequente desdobramento para cores secundárias. "Às três formas que representam as três cores primárias, foram acrescentadas mais duas que, de forma simples, representam o preto e o branco", adiantou.

Disse que com o Código "o daltónico olha para um dado objecto, uma peça de roupa ou um sinal de trânsito, por exemplo, e através dos símbolos nele colocados consegue distinguir as cores".

Miguel Neiva salienta que "os primeiros sintomas de daltonismo são detectados na idade escolar", frisando que, "mais tarde, a pessoa daltónica vê serem-lhe interditas diversas profissões".

Entre elas - frisou - contam-se profissões como a pilotagem de aviões, a navegação marítima, a indústria gráfica, a indústria química, a geologia, a arqueologia, actividades ligadas à área da informática ou áreas financeiras, a decoração e a moda".

Frisa que no seu quotidiano existem muitas situações que implicam a ajuda de terceiros, algo que deixa de suceder com a introdução do Código: na escola, para a escolha de marcadores ou de canetas coloridas; na compra de vestuário; na orientação em interpretação de mapas e sinais de trânsito.

O novo instrumento gráfico - acrescentou - vai, ainda, "facilitar a identificação correta das bandeiras da praia e a identificação e escolha de qualquer tipo de produto ou serviço onde a cor seja factor de decisão".

"Uma das melhores 40 ideias para melhorar o mundo"

O investigador, que estudou tema nos últimos nove anos em parceria com pessoas daltónicas, sublinha que a adesão das tintas CIN é o início do processo de internacionalização do Código, iniciado depois do registo da marca.

"Temos obtido grande receptividade no estrangeiro, como sucede no Brasil onde foi considerada uma das melhores 40 ideias para melhorar o mundo", revelou, frisando que o projecto foi concebido numa óptica de "responsabilidade social".

Miguel Neiva salienta que a ideia tem aplicação nas áreas dos transportes - na sinalização em comboios e no metro - na educação, na saúde e nos têxteis e vestuário.

"Vamos tentar chegar a acordo com a empresa líder mundial no mercado dos lápis de cor, a FaberCastel, já que os daltónicos começam logo a ter problemas na escola", revelou.

Para o investigador, o código, pioneiro a nível mundial, "é transversal a todos os quadrantes da sociedade global, independentemente da sua localização geográfica, cultura, língua, religião, bem como às diferentes vertentes socioeconómicas.

Miguel Neiva é Mestre em Design e Marketing pela Universidade do Minho. Licenciado em Design, opção Comunicação Visual, é docente de Mestrado em Comunicação de Moda na UMinho em Guimarães.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.