Nova Iorque acolhe 2º festival de "curtas" portuguesas

O Arte Institute, de Nova Iorque, vai realizar a segunda edição do NY Portuguese Short Film Festival, nos dias 01 e 02 de junho, em simultâneo com o Hard Club, no Porto, e o Auditório Carlos Paredes, em Lisboa.

Nesta segunda edição do festival de curtas-metragens portuguesas de Nova Iorque, serão exibidas 14 produções, assinadas por 19 jovens cineastas, repartidas por duas sessões nos Cinemas Tribeca, em Manhattan.

No primeiro dia, 01 de junho, serão exibidas "Down Here", de Diogo Costa Amarante, "O Cágado", de Pedro Lino e Luís da Matta Almeida, "4M", de Nelson de Castro e Wilson Pereira, "Artur", de Flávio Pires, "O fim do homem", de Bruno Telésforo e Luís Lobo, "Os milionários", de Mário Gajo de Carvalho, e "Unspoken Understanding", John Filipe.

"Ensinamentos para a Vida Adulta", de Ernesto Bacalhau, "Depressure", David Mourato, "A Dança de Sísifo", de André Lourenço e Paulo Valente, "Stroke", de Sofia de Botton, "Píton", de André Guiomar, "Mk Spitfire", de Filipa GC Ruiz, e "A primeira ceia", de Luis Monge e Sofia Pimentão, formam a programação do segundo e último dia.

As curtas-metragens do festival foram selecionadas por um júri composto por Joana Vicente, diretora executiva do Independent Filmmaker Project, de Nova Iorque, Luísa Sequeira, do festival Shortcutz, do Porto, Benedita Pereira, atriz, Richard Peña, diretor da Lincoln Film Society, Javier Rioyo, diretor do Instituto Cervantes de Nova Iorque, e o jornalista português João Maia Abreu.

O prémio do filme vencedor corresponde à aquisição de direitos pela RTP2 para exibição no programa Onda Curta deste canal.

O festival foi organizado pela primeira vez, em junho de 2011, constituindo a primeira mostra, nos Estados Unidos, exclusivamente dedicada à produção de "curtas" da nova geração de cineastas portugueses.

A edição deste ano faz parte da programação da temporada de verão do Arte Institute, que integra ainda a exposição "I Love You, Oh, You Pay My Rent", de Sandro Resende e Paulo Romão Brás, que foi apresentada na Galeria de São Bento, em Lisboa.

A instalação dos dois artistas portugueses está programada para a Rogue Space Gallery, em Chelsea, de 13 a 18 de junho.

Uma palestra do escritor José Luís Peixoto será realizada no mesmo local, a 14 de junho, antecedendo um concerto da banda At a Distance, de New Jersey.

As 14 curtas-metragens do Festival são exibidas no dia 01 de junho, no Hard Club, no Porto, e no dia 02, no Auditório Carlos Paredes, em Lisboa.

O festival de curtas-metragens portuguesas de Nova Iorque tem apoio dos fundos públicos para as Comunidades Criativas da cidade e do Fundo para as Artes de Manhattan.

Fundado em abril de 2011, o Arte Institute é uma organização independente, sem fins lucrativos, dirigida por Ana Miranda, portuguesa radicada em Nova Iorque, e tem por objetivo promover artistas e projetos internacionais de arte contemporânea, em particular portugueses, na Europa, Estados Unidos e na América do Sul.

A programação do primeiro festival de curtas-metragens foi apresentada no Rio de Janeiro, Brasil, em novembro de 2011

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.