João Botelho, Saramago e Harry Potter nas salas

As estreias de 'Mistérios de Lisboa', de Raul Ruiz, e 'Um filme do desassossego', de João Botelho, o regresso de Harry Potter e do DocLisboa e do Estoril Film Festival marcam os próximos meses da agenda cinematográfica portuguesa.

Até ao final do ano estão previstas pelo menos nove estreias de cinema português, entre as quais 'Mistérios de Lisboa', do realizador chileno Raúl Ruiz, a 21 de Outubro, considerada uma das mais caras produções cinematográficas em Portugal.

O filme baseia-se num romance de Camilo Castelo Branco e é uma saga familiar passada em Lisboa nos finais do século XVIII, protagonizada por um longo elenco português e francês.

Produzido por Paulo Branco, com um orçamento de 2,5 milhões de euros, o filme irá passar pelos festivais de Toronto, San Sebastian e Nova Iorque antes de chegar às salas portuguesas e francesas.

No dia 29 de Setembro o realizador João Botelho apresenta aos portugueses, no CCB, em Lisboa, 'O filme do desassossego', a sua interpretação de 'O livro do desassossego', de Fernando Pessoa.

O filme não terá estreia comercial, pelo que não estará nas habituais salas de cinema, porque o realizador o quer mostrar em digressão pelos cine-teatros por todo o país, sem pipocas nem refrigerantes.

'Marginais', de Hugo Diogo (16 Setembro), 'Assalto ao Santa Maria', de Francisco Manso (23 Setembro) e 'Quero ser uma estrela', de José Carlos de Oliveira (28 Outubro) também estrearão nos próximos meses.

Destaque ainda para a estreia a 30 de Setembro de 'Embargo', de António Ferreira, a partir de um conto de José Saramago.

O Nobel da Literatura será recordado em Outubro no documentário 'José & Pilar', de Miguel Gonçalves Mendes, no arranque do festival DocLisboa (14 a 24 de Outubro), tendo estreia em sala comercial no mês seguinte.

O festival dedicado ao documentário é um dos eventos fortes de Lisboa na área do cinema, embora o cardápio inclua também o MoteLX, sobre cinema de terror (29 Setembro a 03 de Outubro), o Queer - Festival de Cinema Gay & Lésbico (17 a 25 de Setembro) e a Festa do Cinema Francês (Outubro).

Com apenas três edições, o Estoril Film Festival, de Paulo Branco, é outro dos eventos que mais atenções chama no cinema, com a presença de várias figuras internacionais e um cartaz apelativo.

Este ano, o festival decorrerá de 05 a 14 de Novembro, mas a conferência de imprensa para apresentar o programa é no dia 17 de Setembro.

Fora de Lisboa, as atenções nas próximas semanas vão para o Douro Film Harvest, de 07 a 11 de Setembro, que homenageia Sofia Loren e conta com o compositor argentino Gustavo Santaolalla, o escritor Mia Couto e o publicitário Edson Athayde entre os convidados.

No plano das estreias internacionais, um dos filmes de Natal é a primeira parte de 'Harry Potter e os talismãs de morte', (18 de Novembro) em 3D, realizado por David Yates e que conta com o reputado director de fotografia português Eduardo Serra.

No dia 23 de Setembro estreia-se 'Wall street: o dinheiro não dorme', de Oliver Stone, com Michael Douglas novamente no papel de Gordon Gekko, e em Novembro, ainda sem data, passará 'Filme socialismo', de Jean-Luc Godard.

A história da fundação da rede social Facebook e do seu criador, o multimilionário Mark Zuckerberg, é contada a 04 de Novembro por David Fincher em 'A rede social', e a 09 de Dezembro chega o filme sensação do festival de Cannes: 'O Tio Boonme que se lembra das suas vidas anteriores', do tailandês Apichatpong Weerasethakul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.