Festival Doclisboa começa hoje

Os 50 anos do começo da Guerra Colonial e os movimentos de mudança nos países árabes estarão em foco no festival de cinema documental Doclisboa, que começa hoje, com uma programação menos extensa e concentrada em menos salas.

" nona edição, o festival conta como uma nova direcção, liderada por Anna Glogowski, e a programação tem menos filmes e menos locais de exibição, concentrando-se nos cinemas São Jorge e Londres, Culturgest, Cinemateca e Teatro do Bairro.

"Estamos a tentar garantir que o Doclisboa não apague por diminuição de filmes nem pela dimensão da qualidade", de forma a "manter essa estrela do Doclisboa brilhando aqui e lá fora também", disse a diretora do festival à agência Lusa.

O realizador Frederick Wiseman, de 81 anos, volta a Portugal para mostrar "Crazy Horse", o documentário sobre o famoso cabaret parisiense, hoje na sessão de abertura do Doclisboa.

Da programação destaca-se uma série de filmes sobre "Movimentos de Libertação em Moçambique, Angola e Guiné-Bissau (1961-1974)", a propósito dos 50 anos do começo da Guerra Colonial.

"Nunca mais se fez cinema assim", considerou Anna Glogowski, referindo que entre os 15 filmes que vão ser mostrados há um "ponto comum", que é "uma espécie de presença por trás das fronteiras da guerrilha".

No festival serão ainda mostrados documentários sobre as revoluções árabes, como "Tahrir - Liberation Square", de Stefano Savona, incluído na competição internacional, que regista o eclodir da revolução deste ano no Egito.

Fora de competição será exibido "Plus Jamais Peur", de Mourad Ben Cheikh, sobre a revolução tunisina.

Tanto Mourad Ben Cheikh como Stefano Savona estarão em Lisboa para apresentar os respetivos documentários.

No domingo passará "In film nist/This is not a film", o filme testemunho dos realizadores iranianos Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb, que estão detidos no Irão, feito quase na clandestinidade que foi exibido no festival de Cannes e que terá estreia comercial em Portugal.

Entre os filmes portugueses selecionados contam-se "Cartas de Angola", de Dulce Fernandes, e "É na terra não é na lua", documentário de Gonçalo Tocha sobre a ilha do Corvo, única produção portuguesa na competição internacional.

Na secção "Heartbeat" será mostrado, em antestreia, o documentário que Martin Scorsese fez sobre o guitarrista dos Beatles, George Harrison, em "Living in the material world".

A presença em Lisboa da realizadora belga Agnès Varda e as duas retrospetivas sobre Jean Rouch e Harun Farocki são outros destaques do festival, que termina no dia 30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.