Edgar Pêra está a rodar "O barão"

 O realizador Edgar Pêra está a rodar a longa-metragem "O Barão", a partir da novela homónima de Branquinho da Fonseca, revelou a produtora Cinemate.

O filme baseia-se na novela "O Barão" e também no conto "Involuntário", ambos do escritor Branquinho da Fonseca, com argumento adaptado de Luísa Costa Gomes.

A rodagem teve início em Setembro na região do Barroso e prossegue desde há alguns dias nos estúdios da Cinemate.

Publicada em 1942, a novela "O Barão" combina suspense e fantástico na narração de uma história sobre um inspector escolar que conhece um aristocrata excêntrico e enigmático numa aldeia remota da serra do Barroso.

Com um orçamento de cerca de 900 mil euros, apoiados pela RTP e Instituto do Cinema e Audiovisual, o filme conta no elenco com Nuno Melo (o barão), Marcos Barbosa (o inspector), Leonor Keil, Marina Albuquerque, Paula Só, Victor Correia e Miguel Sermão.

"Neste filme reside a possibilidade de (re)descobrir um autor e uma obra e de criar um património", afirma Edgar Pêra na nota de intenções.

Para o realizador, "numa primeira leitura dificilmente se dará conta do potencial" da obra de Branquinho da Fonseca.

A personagem principal, "a persona medieval do Barão", "é uma arrogante criatura que todos conhecem. Uns dizem que governa uma ilha, outros afirmam que domina a sua terrinha, alguns pensam que controla o país. Essas figuras, amadas e odiadas, são uma constante deste Portugal", argumenta.

Esta não é a primeira vez que Edgar Pêra entra no universo de Branquinho da Fonseca.

Em 2008, o realizador estreou no Fantasporto o filme "Rio Turvo", com Teresa Salgueiro, Nuno Melo, José Wallenstein, Vítor Correia, JP Simões, Manuel João vieira e os Dead Combo.

Da sua filmografia constam ainda, por exemplo, o documentário "És a nossa fé" (2004), "O Homem-Teatro" (2001), "Portugal ilimitado" (1998) e "Manual de Evasão" (1994).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?