Museu recebe onze pinturas de Agostinho Santos

O jornalista e artista plástico Agostinho Santos inaugura sexta-feira no Museu da Faculdade de Belas Artes do Porto uma exposição de pintura, que integra onze trabalhos, em vários suportes.

'Os trabalhos têm como base a fusão da palavra e da imagem', através da interpretação de cinco livros de José Saramago, nomeadamente 'Memorial do Convento', 'Ensaio sobre a Cegueira', 'Intermitências da Morte', 'Caim' e 'Evangelho Segundo Jesus Cristo', disse Agostinho Santos à Lusa.

Segundo o artista, estarão em exposição '11 pinturas, concebidas em 2009 e 2010 em vários suportes, como madeira, ferro e arame. Houve a preocupação de reciclar materiais, alguns dos quais encontrados na rua'.

Intitulada 'Recolecção e Magia' a mostra é comissariada por Baltasar Torres que é também o autor do texto do catálogo.

'Todos os trabalhos são o resultado de uma análise e investigação sobre a vida e a morte e, sobretudo, procuram lançar algumas questões', acrescentou Agostinho Santos.

O jornalista do Jornal de Notícias e artista plástico frequenta o Mestrado de Pintura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto e é presidente, desde 1995, da Cooperativa Cultural 'Artistas de Gaia', de que é sócio fundador.

Foi chefe de redacção e fundador do semanário 'Observador' e do 'Gaia Semanário', jornalista de 'O Primeiro de Janeiro', sócio da cooperativa Árvore e da Associação Cultural 'Projecto' de Vila Nova de Cerveira.

Realizou cinquenta e cinco exposições individuais, em Portugal, Espanha, Brasil e Índia e participou em mais de 250 mostras colectivas no país e no estrangeiro.

A exposição 'Recolecção e Magia' encerra a 01 de Outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.