Umas férias sem juros

Passar as férias de verão na praia e estar com amigos é o ideal de descanso para muita gente

Férias de verão é significado de diversão, tempo livre, bom tempo, praia, campo, jogos, viagens, aventuras... É a altura do ano mais esperada por quase todos os portugueses.

Verão é sinónimo de praia e é sabido que Portugal tem uma costa espantosa. As praias do nosso país encontram-se entre as melhores da Europa, não só pelo nosso sol e pelas nossas paisagens, mas também pelo surf, a pesca no alto mar e outras modalidades aquáticas. Haverá uma praia portuguesa à medida de cada pessoa, desde as pequenas praias de areia branca serenas do oeste do Algarve às amplas praias da costa atlântica, perfeitas para a prática de surf.

Quando pensamos em férias suspiramos, imaginamos os sítios que podemos conhecer, as noites para explorar e tudo isto com uma tremenda diversão entre amigos.

Oportunidade a não perder

Neste verão pode aproveitar para passear com a sua família e amigos à boleia de um novo Volkswagen. A marca Volkswagen está a lançar um produto financeiro que permite comprar um Polo up! ou Golf com 0% de juros. Estamos sempre a tempo de nos apaixonarmos e tudo pode começar já neste verão. Tal como no amor, se um Volkswagen é mais que um carro, é um companheiro para a vida - o modo como encontramos os nossos companheiros para a vida pode ser muito variado.

Algumas oportunidades aparecem apenas uma vez ao longo da vida, se for algo bom, não deixe de aproveitar

Esta campanha lançada pela marca alemã é uma oportunidade que não pode deixar passar..

O verão está aí, agora só tem que chegar até ele. O sol, o mar, a praia, os festivais, as viagens e muito mais! O verão está aí e o melhor é ter um companheiro que o leve até ele. Apanhe a boleia da Volkswagen e aproveite a oportunidade de 0% de juros, até 15 de julho, na compra de um up!, Polo ou Golf.
Aproveite a boleia dos Summer Days Volkswagen.

Saiba mais aqui

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."