Sabe qual é a melhor altura do ano para marcar férias?

Não se preocupe: não vamos demorar uma eternidade a dar-lhe a resposta nem obrigar a 20 cliques para desvendar as melhores opções, especialmente para um verão de 2018 em grande

A resposta é o mês de janeiro. É mesmo no início do novo ano que consegue encontrar as melhores opções para as férias e, muito embora pareça inusitado preparar tão cedo os mergulhos que só vai dar dali a sete ou oito meses, a verdade é que os melhores negócios são feitos por estes dias.

A razão é simples, a maioria das melhores cadeias hoteleiras, assim como muitas agências de viagens e companhias aéreas, fazem excelentes campanhas de redução de preços nesta altura. Podemos agradecer aos nossos amigos britânicos e germânicos que com a sua paixão pela organização e tendência para antecipar a reserva das férias para esta altura acabaram por levar a que todos nós possamos beneficiar com isso. O único problema que pode daí resultar é mudarmos de ideias mais de vinte vezes em relação aos fatos de banho que queremos levar para as férias já bem planeadas.

Mas vamos ao que interessa: os bons negócios, que em alguns casos são mesmo excelentes. Um dos melhores exemplos é o do Pestana Hotel Group, que vai levar a cabo uma January Sale com descontos até 50%. E não são só descontos para um ou outro destino, mas sim para todos os destinos onde o grupo tem hotéis.

Por isso, se a sua tradição de verão é trabalhar para o bronze tendo como base os hotéis no Algarve, é em janeiro que vai querer escolher se quer um quarto com vista para a praia do Alvor ou a dois passos da piscina em Vilamoura.

Mas imaginemos que o seu objetivo para as férias deste ano era percorrer todas as levadas madeirenses, ou até participar na famosa Festa da Flor. Então a January Sale também lhe traz boas notícias no que respeita aos preços dos hotéis na Madeira.

Com hotéis em inúmeros destinos nacionais e internacionais - Rio de Janeiro, Londres, Miami, Barcelona e Berlim são apenas alguns -, janeiro vai mesmo ser um mês importante para as suas férias ou escapadinhas graças às excelentes oportunidades que o Pestana Hotel Group lhe proporciona. E se precisar de inspiração, deixamos uma ideia: com descontos tão bons, mais vale marcar uma aula de tango na vizinhança do Pestana Buenos Aires. Afinal, não haverá melhor lugar para aprender a dança da paixão do que no local onde ela nasceu, certo?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.