Qual é a coisa, qual é ela que salva vidas e pela saúde zela?

Dos termómetros que usa para medir a temperatura corporal aos óculos que já não dispensa para trabalhar horas em frente ao computador, os dispositivos médicos chegaram para melhorar a qualidade de vida e aumentar a longevidade. O que talvez não saiba é que as tecnologias da saúde valem milhões e já contam com uma semana europeia de sensibilização

Pensos de gaze, testes de gravidez, aparelhos auditivos, medidores de tensão arterial e de glicemia, luvas cirúrgicas e camas de hospital. Todos os produtos anteriores partilham a designação de dispositivos médicos. "Porquê?", pergunta com razão. Porque todos têm um fim comum: diagnosticar, prevenir, controlar, tratar, ou atenuar uma doença ou lesão, prolongando e transformando a vida das pessoas. É simples: contribuem para que se viva mais e melhor.

Atualmente, existem mais de 500 mil dispositivos médicos disponíveis: esta é uma das indústrias mais inovadoras do mundo, que disponibiliza rapidamente os maiores avanços tecnológicos - sejam stents coronários ou próteses ortopédicas para que os cidadãos possam atingir os melhores padrões de qualidade de vida em saúde.

Por exemplo, a perda da visão ou da audição é descrita pelas pessoas como uma das situações que maior impacto teria na sua vida quotidiana. Pois bem, a recuperação ou a melhoria destes dois sentidos, através de tecnologias e de dispositivos cirúrgicos inovadores, como são os casos das lentes intraoculares e dos implantes cocleares, respetivamente, são bastante elucidativos do papel crucial dos dispositivos médicos.

O que provavelmente não sabe é que o mercado dos dispositivos médicos, em Portugal, está avaliado em cerca de 1200 milhões de euros, valor ao qual acrescem 300 milhões em exportações. A nível europeu, conta já com mais de 25 mil empresas que empregam 575 mil pessoas. Com o intuito de dar visibilidade a este setor, a Associação Portuguesa das Empresas de Dispositivos Médicos (APORMED) vai trazer a Portugal, pelo quarto ano consecutivo, a MedTech Week. A Semana Europeia dos Dispositivos Médicos vai decorrer de 4 a 8 de junho, em vários países em simultâneo, e tem como principal objetivo reconhecer e divulgar o contributo das tecnologias da saúde para a vida de milhares de doentes, familiares e profissionais de saúde.

Pode sempre avaliar o seu conhecimento acerca desta matéria com um quiz interativo. A conclusão, essa, é unânime: os dispositivos médicos são essenciais para a saúde e para o bem-estar dos cidadãos, desempenhando um papel crucial no aumento da longevidade e melhorando significativamente a qualidade de vida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.