Jantar no local dos eternos namorados

Já dizia Eça de Queiroz nos Maias: "(...)tudo em Sintra é divino. Não há cantinho que não seja um poema..." e quem é que consegue discordar?

Sintra é um verdadeiro deleite para qualquer olhar. São os musgos que abraçam os bancos de pedra solitários, é a magia da Quinta da Regaleira e a neblina inconfundível da serra que fazem de Sintra um lugar especial.

Profundamente mergulhada numa aura romântica, Sintra é um paraíso para qualquer casal que queira namorar longe da confusão da cidade. Se quer estar uns momentos a sós com a sua cara-metade e não sabe para onde ir, este é o destino perfeito. É perto de Lisboa e é maravilhoso para passear. É verdade que com a chegada do outono, também vem a chuva, mas não há razão para adiar os seus planos a dois.

Sintra à noite também é muita romântica, especialmente pela forma como as luzes ornamentam a vila. Se quer um programa divertido para passar com o seu mais que tudo, aconselhamos um jantar no Arribas Terrace. Um espaço com esplanada sobre o mar. Quer mais romântico?

Neste restaurante, destaca-se a frescura do peixe e do marisco. Porém, o Arribas Terrace também dispõe orgulhosamente de outras iguarias da gastronomia sintrense que são igualmente deliciosas: vitela assada, cabrito e leitão de Negrais. Como não há jantar romântico sem sobremesa, aconselhamos que adoce o paladar com os famosos travesseiros de Sintra, as queijadas ou os fofos de Belas.

Se quer ter um jantar com a sua cara-metade num dos recantos mais românticos de Portugal, a única coisa que tem de fazer é marcar a manutenção periódica do seu smart fortwo ou forfour no clubesmart e ir a uma oficina autorizada. Depois, só tem de ligar para o estabelecimento, efetuar uma reserva, mencionando o programa do clube Smart, e apresentar o voucher no dia escolhido. Este voucher dá direito a um prato na oferta de outro, sendo que se os pratos forem diferentes, a oferta recai sobre o preço mais barato.

Tem até 30 de maio de 2019 para aproveitar esta vantagem e ir usufruir deste momento com o seu mais que tudo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.