Dourada com sabor a mar!

A dourada tem um corpo de forma oval, de cor cinzento-prata, uma mancha dourada entre os olhos e o sabor que traz a história do oceano.

Apresentamos-lhe a Sparus aurata, ou, por outras palavras, a dourada. Este peixe encontra-se, sobretudo, no Atlântico Nordeste e Mar Mediterrâneo, onde habita a coluna de água em zonas até 150 m de profundidade. Vive solitária ou em pequenos grupos e alimenta-se de moluscos, crustáceos e ouriços-do-mar. Reproduz-se de outubro a dezembro e vive aproximadamente 15 anos, tendo um porte variável de acordo com seu habitat.

Um peixe peculiar
Esta espécie pode ser encontrada por toda a costa Atlântica e Portuguesa, Mediterrâneo e Norte de África e vive em fundos mistos de areia e pedra, procurando zonas de laje rochosa para a desova. Na época da desova, as douradas apresentam-se em grande número nas zonas preferidas de nidificação, como é o caso do Cabo Espichel, Vereda ou ao longo da costa da Comporta, em Setúbal. E, surpreenda-se, com esta particularidade: as douradas são hermafroditas, nascem macho mas com a maturação sexual, por volta dos dois anos, convertem-se em fêmea.

Como vê, com todas estas características tão específicas, a dourada não podia ser senão um peixe muito especial. Para a trazer até à sua mesa é, sobretudo, capturada com anzol, redes de emalhar e palangre por pequenas embarcações ao longo da costa portuguesa, o que se reflete na frescura que apresenta nas peixarias das lojas Continente. A pele de cor viva e homogénea e a carne firme são excelentes indicadores de frescura.

Benefícios do seu consumo
Para além disso, os benefícios do seu consumo para a saúde são muitos. Quando inserida numa alimentação equilibrada e num estilo de vida saudável, a dourada pode trazer inúmeros benefícios. A dourada é um peixe muito rico nutricionalmente, apresentando diversas vitaminas e minerais e contendo, sobretudo, gordura insaturada. Inserida num estilo de vida saudável, e pelo conteúdo em ómega-3 e potássio, pode ajudar no controlo de doenças cardiovasculares, nomeadamente pela manutenção dos níveis de colesterol no sangue e da pressão arterial normais.

Pode consumir a dourada de várias formas, sendo que, no forno, com batatas assadas, e grelhada - com um pouco de azeite e limão -, os seus nutrientes mantêm-se praticamente inalterados. O ceviche é também uma boa opção para consumir este peixe nos dias de maior calor, sendo ideal para quem gosta de marinadas cítricas. Optar por fazer este peixe ao sal pode ser uma boa forma de o tornar ainda mais suculento e húmido. Além disso, pode também fazer uma sopa de peixe utilizando a cabeça da dourada, onde se concentra grande parte do sabor deste peixe tão nutritivo e saboroso.

Mas, para que não precise de ir à lota comprar as douradas mais frescas, o Continente vai por si, colocando à sua disposição o sabor a mar e a frescura deste delicioso peixe, trazido pelos melhores armadores, que, com quantidades generosas de gelo, asseguram um excelente acondicionamento do peixe, para que se mantenha bem fresco até chegar à sua mesa.

BENEFÍCIOS
Por ser rica em vitaminas do complexo B e vitamina D, o consumo de dourada, aliada a uma alimentação equilibrada, pode contribuir para o normal funcionamento do sistema imunitário, nervoso, função psicológica e regulação hormonal.

COMO CONSERVAR
A dourada deve ser conservada no frigorífico, na parte inferior, durante 1 a 2 dias.

VALOR NUTRICIONAL (por 100g)
167 kcal
Minerais: P, K
Vitaminas: B1, B3, B6, B12, D

SABIA QUE
No momento de escolher as douradas, deve lembrar-se que os olhos devem ser cristalinos, as escamas aderentes, o corpo brilhante, as guelras avermelhadas e a textura firme.

COMO CONSUMIR
A dourada pode ser consumida assada, grelhada, cozida, no forno ao sal ou em ceviche, uma excelente opção para consumir no verão, já que é refrescante e muito fácil de fazer. O peixe fica embebido nos sucos cítricos, que ajudam a realçar a frescura e o seu sabor marítimo. Fazer uma sopa de dourada é outra forma de a degustar. Se preferir, pode desfiar o peixe e juntá-lo a uma refrescante salada ou mesmo a um delicioso taco com salsa e pimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.