Costa em Macau cria "espaço para um novo nível de desenvolvimento"

Uma cooperação assente no empreendedorismo foi o objetivo do encontro promovido no início deste mês no Fórum Macau Startup

Fórum Macau Startup juntou os representantes de 19 empresas de Macau, China Continental e de Portugal ligadas sobretudo à área da tecnologia e inovação, potenciais investidores e membros do Governo, lançando as sementes para um outro tipo de cooperação.

Um momento do encontro

"Deste encontro da criatividade damos força à inovação e abrimos espaço para um novo nível de desenvolvimento das nossas economias", afirmou o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, no discurso de encerramento do Fórum Macau Startup. O evento juntou 19 empresas do território, da China Continental e de Portugal, entre 10 e 11 Outubro, e culminou com a assinatura entre os Governos de Macau e de Portugal de um memorando de entendimento para "promover o empreendedorismo e o apoio às "startups"".

Depois de um primeiro dia dedicado à formação, a cargo da Fábrica de Startups, uma das entidades que concebeu a iniciativa, 19 firmas - sete da China Continental, seis de Macau e seis de Portugal - fizeram as suas apresentações aos investidores. No fim, houve direito a atribuição de prémios. Em primeiro lugar ficou a Zaask (Portugal), enquanto a Phantoms (Macau) - empresa que desenvolve relógios conceptuais que simplificam o design e os aspetos ligados à engenharia - e a Insure Hong Intelligence Design (China Continental) - firma que combina tecnologia com design artístico, imitando o processo criativo do designer - receberam prémios de honra.

Leia mais no e-paper ou no site do Plataforma Macau

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.