Chegou o carro da geração Millennial

Não é o Touareg nem o Tiguan. É mesmo o T-Roc, o mais rebelde SUV que já conquistou o carinho dos portugueses nascidos do início da década de 1980 até meados da década de 1990. Com travagem de emergência, sensor de ângulo morto e design personalizável, o carro favorito do público jovem é audaz e prático.

Todas as gerações têm um ícone, mas a geração Y (perdão, geração Millennial) é o seu próprio ícone. Quando lutam por algo, lutam em conjunto, fazem as suas próprias tendências e procuram aquilo que transforma as suas vidas em algo especial. Vemos esse caráter único até na maneira como escolhem os seus carros, que são audazes mas conscienciosos, práticos mas com um estilo marcado. Podem ser pequenos ou grandes - pouco importa - mas os detalhes devem ser personalizáveis. O desenho quer-se arrojado e o interior espaçoso passa à frente da concorrência, de dia e de noite.

O melhor exemplo disso é o T-Roc. É o carro, assinado pela Volkswagen, que tão bem representa a geração nascida do início da década de 1980 até meados da década de 1990. As características rebeldes estão todas lá: o look aventureiro, a lateral musculada e, claro, a pintura bicolor que se distingue da multidão. Sem esquecer as linhas pioneiras e o tejadilho estilo coupé.

A luz diurna integrada no para-choques dianteiro também não passa despercebida. Os holofotes estão sobre o ecrã no centro do tablier que está pronto a ser ligado a um smartphone. Do rádio, passando pelo GPS, não faltam aplicações que lhe vão dar informações do veículo onde quer que esteja. Quando tem de efetuar a próxima revisão? Qual é a quantidade de combustível disponível no depósito de combustível? Basta aceder ao portal da marca à distância de um clique. Nunca mais vai ter de conduzir offline.

Mas o que aproxima tanto o T-Roc da geração internet? Talvez as 600 combinações possíveis entre cor exterior, tejadilho e cor do tablier. Ou mesmo a produção nacional, na fábrica da Autoeuropa, em Palmela. Ah, claro, e o preço atrativo proposto a partir de 23.275 euros com motor a gasolina e a partir de 27.473 euros com motor Diesel.

Como companheiro do mundo urbano, é um carro que preza os momentos de lazer de um fim de semana em família e oferece cinco lugares com um compartimento de bagagem até 445 litros. Na estrada, é tão eficiente e flexível quanto os millennials exigem. Para além dos seis motores TSI e TDI, o T-Roc é equipado com sistema de deteção de peões e função de travagem de emergência em cidade.

O assistente de mudança de faixa de rodagem com sensor de ângulo morto, incluindo o assistente de saída de estacionamento, explica porque é que a Volkswagen tem o carro favorito dos nascidos no mundo tecnológico. Um automóvel perfeito para uma geração que olha a meios, até ao mais ínfimo pormenor da condução ao design, para atingir os fins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...