Chegou o carro da geração Millennial

Não é o Touareg nem o Tiguan. É mesmo o T-Roc, o mais rebelde SUV que já conquistou o carinho dos portugueses nascidos do início da década de 1980 até meados da década de 1990. Com travagem de emergência, sensor de ângulo morto e design personalizável, o carro favorito do público jovem é audaz e prático.

Todas as gerações têm um ícone, mas a geração Y (perdão, geração Millennial) é o seu próprio ícone. Quando lutam por algo, lutam em conjunto, fazem as suas próprias tendências e procuram aquilo que transforma as suas vidas em algo especial. Vemos esse caráter único até na maneira como escolhem os seus carros, que são audazes mas conscienciosos, práticos mas com um estilo marcado. Podem ser pequenos ou grandes - pouco importa - mas os detalhes devem ser personalizáveis. O desenho quer-se arrojado e o interior espaçoso passa à frente da concorrência, de dia e de noite.

O melhor exemplo disso é o T-Roc. É o carro, assinado pela Volkswagen, que tão bem representa a geração nascida do início da década de 1980 até meados da década de 1990. As características rebeldes estão todas lá: o look aventureiro, a lateral musculada e, claro, a pintura bicolor que se distingue da multidão. Sem esquecer as linhas pioneiras e o tejadilho estilo coupé.

A luz diurna integrada no para-choques dianteiro também não passa despercebida. Os holofotes estão sobre o ecrã no centro do tablier que está pronto a ser ligado a um smartphone. Do rádio, passando pelo GPS, não faltam aplicações que lhe vão dar informações do veículo onde quer que esteja. Quando tem de efetuar a próxima revisão? Qual é a quantidade de combustível disponível no depósito de combustível? Basta aceder ao portal da marca à distância de um clique. Nunca mais vai ter de conduzir offline.

Mas o que aproxima tanto o T-Roc da geração internet? Talvez as 600 combinações possíveis entre cor exterior, tejadilho e cor do tablier. Ou mesmo a produção nacional, na fábrica da Autoeuropa, em Palmela. Ah, claro, e o preço atrativo proposto a partir de 23.275 euros com motor a gasolina e a partir de 27.473 euros com motor Diesel.

Como companheiro do mundo urbano, é um carro que preza os momentos de lazer de um fim de semana em família e oferece cinco lugares com um compartimento de bagagem até 445 litros. Na estrada, é tão eficiente e flexível quanto os millennials exigem. Para além dos seis motores TSI e TDI, o T-Roc é equipado com sistema de deteção de peões e função de travagem de emergência em cidade.

O assistente de mudança de faixa de rodagem com sensor de ângulo morto, incluindo o assistente de saída de estacionamento, explica porque é que a Volkswagen tem o carro favorito dos nascidos no mundo tecnológico. Um automóvel perfeito para uma geração que olha a meios, até ao mais ínfimo pormenor da condução ao design, para atingir os fins.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.