As menções dos vinhos e o seu significado

As diferentes menções presentes nos rótulos de vinhos, contribuem para a expetativa do consumidor sobre o seu perfil.

Já nos habituámos a ver junto da marca dos vinhos, designações como "Colheita Selecionada", "Escolha", "Grande Escolha", "Garrafeira", "Reserva", "Premium", "Reserva Especial", "Grande Reserva" ou "Superior". Mas o que significam exatamente?

Estas menções regulamentadas deverão traduzir a existência de características de cor, aroma e sabor destacadas ou muito destacadas, que colocam estes vinhos num patamar de qualidade superior aos vinhos colheita, ou seja, dos que não apresentam estas menções. O resultado da prova nas câmaras de provadores das comissões vitivinícolas regionais, que regulamentam estas menções, é assim determinante para a sua atribuição. É desta forma garantido o carácter especial dos vinhos que apresentam tais designações, o que poderá ser naturalmente um fator distintivo na hora de escolher um vinho.

Para a mesma marca, verificamos com frequência que existem várias propostas, desde os colheita - sem menções - aos que apresentam diferentes designações, podendo ser orientadores sobre o seu patamar de qualidade ou perfil. Um colheita deverá ser uma boa escolha para acompanhar pratos mais simples, cozidos ou grelhados, enquanto os Reserva ou Premium são indicados para pratos mais intensos, que exigem vinhos com maior estrutura e complexidade.

Existem ainda menções que, embora não sejam ainda regulamentadas, são utilizadas pelos produtores para indicarem vinhos mais exclusivos e especiais. Por exemplo a indicação "Signature" que pode ser encontrada em vinhos da marca "Cancellus", da Adega de Vila Real, ou da marca Guarda Rios, do Monte da Ravasqueira, representam uma seleção de lotes de menor volume, com concentração e complexidade superior, muito gastronómicos, habitualmente o topo de gama das marcas que representam.

Para provar e comprovar as diferenças entre cada tipo de vinho com as suas diferentes menções, o melhor será aproveitar as frequentes degustações de vinhos promovidas pelos produtores nas lojas do Continente, ou nas diversas feiras e mostras de vinhos que terão lugar até ao final do ano por todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.