5 razões para desfrutar de um vinho rosé

De aspeto sedutor e paladar refrescante, é vida que se bebe num copo de rosé, perfeito para partilhar num final de tarde de verão.

Chegou finalmente aquela altura do ano em que, a seguir aos corrupios de um dia de trabalho, ainda há tempo para nos instalarmos na esplanada da praia, na varanda ou terraço lá de casa, e desfrutar de um copo de vinho enquanto o dia termina, vagaroso, dando lugar a uma quente noite de verão.

Os dias mais quentes pedem bebidas frescas, e é por isso que bebemos mais vinho branco e rosé nesta altura. De cor rosada, cujo tom pode ir do suave e pálido, quase branco, ao intenso vivo, quase tinto, os vinhos rosés seduzem o olhar, mas não costumam ser consensuais. O facto de o mundo se dividir entre fervorosos fãs de vinho branco e tinto também não deve ajudar. Mas chegou a altura de quebrar o mito e explicar porque é que um copo de rosé sabe sempre bem.

1 - Aromáticos e refrescantes
Ricos em paladar, têm o dom de nos refrescar à primeira gota, razão pela qual são mais apreciados no verão. De facto, o seu consumo no verão é quase o dobro do que se verifica no inverno.

2 - Harmonizações diversas
Versátil e suave, combina bem com vários tipos de prato, especialmente peixes, saladas e refeições leves.

3 - Baixo teor alcoólico
Em geral, o vinho rosé é mais leve em álcool do que o vinho tinto - o que é perfeito para quem não aprecia bebidas fortes em teor alcoólico.

4 - Alternativa frutada
São uma ótima alternativa para quem não aprecia vinho branco, por exemplo.

5 - Perfeito como cocktail
À beira mar ou na esplanada, na companhia da cara-metade ou com amigos, é um ótimo aperitivo antes de jantar ou apenas como cocktail durante um sunset.

Nas lojas Continente encontra uma variada e riquíssima oferta de vinhos rosés, para tornar o seu próximo sunset perfeito. Descubra-os na companhia de quem mais gosta, e torne o seu verão simplesmente inesquecível.

Saiba mais em Enólogo Continente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.