Marcas chinesas e 'low cost' inundaram o mercado português

O mercado português de motociclos está a ser 'inundado' por marcas orientais, principalmente chinesas, e por ofertas de baixo preço, que, desde o final do ano passado, revelam "uma autêntica corrida ao filão das 125cc".

Duas das principais marcas líderes de mercado -- Piaggio e SYM - viram disparar as suas vendas desde que a nova legislação que permite a condução destes veículos bastando ter carta de condução entrou em vigor, em Agosto de 2009, e, em entrevista à Lusa, analisaram as principais alterações neste mercado.

"A legislação fez aumentar o mercado de duas rodas (ciclomotores e motociclos) para 52 por cento nos 12 meses que terminaram em Julho, em comparação com o período homólogo de 2009", disse a directora geral da Piaggio, Sara Chengen.

O crescimento, no entanto, varia consoante os segmentos de mercado: "Os ciclomotores (menos de 50cc) caem cerca de 25 por cento, porque se substituiu a compra de uma 50cc por uma 125cc, já que a nova lei o permite", explicou a responsável da marca italiana, a quinta mais vendida em Portugal.

Já os motociclos de cilindrada superior a 125cc "continuam a baixar num movimento que já dura há alguns anos, e que se explica pela quebra do poder de compra, mas também pela falta de clientes com carta de moto que diminuíram drasticamente" desde 1998.

Outro aspecto importante é a expectativa dos agentes, que perspectivam "um aumento do mercado" e motivou a importação de"várias dezenas de marcas, sobretudo chinesas e de baixo preço, durante o final de 2009 e o princípio de 2010, numa autêntica corrida ao filão das 125cc".

A SYM, uma marca oriental recém chegada a Portugal com produtos 'made in Taiwan', confirmou à Lusa que a nova lei facilitou a entrada no mercado de "mais ofertas a melhores preços".

Para o importador da SYM, Francisco Grego, "considerando que o nível financeiro das famílias não é muito abastado, é natural que as pessoas procurem algo barato", e daí a procura pelas marcas orientações que apareceram com a nova lei.

"Quando saiu esta alteração [legal], as pessoas procuraram um produto mais económico, mas com boa qualidade", disse o responsável, que é também importador da japonesa Suzuky.

"Neste momento, a Suzuky, juntamente com a SYM, representam 20 por cento de todos os negócios feitos em duas e quatro rodas, desde Agosto de 2009" , acrescentando que "se esta lei tivesse saído em 2006 ou 2007 o 'boom' seria muito maior".

Ao contrário do secretário geral da ACAP, Hélder Pedro, que estima uma estabilização da procura deste segmento já durante este mês, o responsável da Suzuky considera que, "pelo menos durante o próximo ano, a procura de 125cc continuará a crescer bastante".

A entrada em vigor, em 14 de Agosto de 2009, da lei nº 78/09 permite que os titulares de carta de condução de ligeiros com mais de 25 anos ou também titulares de licença de condução de ciclomotores conduzam motociclos de cilindrada até 125 cm3 e potência até 11Kw.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG