Wall Street encerra em queda, penalizada pelas acções da Boeing

A Bolsa de Nova Iorque encerrou hoje em baixa, revelando-se prudente antes do final da reunião do banco central norte-americano e penalizado pelos títulos da companhia aérea Boeing.

O índice industrial Dow Jones encerrou a desvalorizar 0,19 por cento (16,10 pontos) para os 8.322,91 pontos, e o tecnológico Nasdaq fechou a perder 0,07 por cento (1,27 pontos), fechando o dia nos 1.764,92 pontos.

O alargado Standard & Poor's 500 valorizou 0,23 por cento (2,06 pontos), para os 895,10 pontos, de acordo com os números definitivos de fecho.

"O mercado mantém-se à espera da conclusão da reunião da Reserva Federal" (Fed), explicou Marc Pado, da sociedade Cantor Fitzgerald.

A Reserva Federal deve terminar quarta-feira uma reunião - que começou hoje - sobre a política monetária. A taxa directora deverá manter-se próxima de zero, no entanto, os investidores aguardam para saber qual será o tom do comunicado final.

Os investidores estão também expectantes em relação à continuação ou não da intervenção do Fed nos mercados de crédito.

Depois do anúncio na segunda-feira de uma progressão de 2,4 por cento do índice de vendas imobiliárias nos Estados Unidos de Maio, comparando com o mês anterior, a praça nova-iorquina abriu com negociações estáveis.

A meio da sessão, registou-se um ligeiro aumento, graças aos títulos energéticos e financeiros, muito atacados na sessão de segunda-feira.

A penalizar as negociações, estiveram os títulos da companhia de aviação Boeing que encerrou a desvalorizar 6,46 por cento, a valer 43,87 dólares/acção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.