Wall Street encerra com a maior baixa desde Abril

A Bolsa de Nova Iorque encerrou hoje em queda acentuada, sendo a mais forte registada desde Abril, penalizada pelos títulos energéticos e mineiros, depois de o Banco Mundial ter arrefecido esperanças sobre uma eventual recuperação da economia.

O índice industrial Dow Jones encerrou a desvalorizar 2,35 por cento (200,72 pontos) para os 8.339,01 pontos, verificando-se hoje a maior descida de sempre, e o tecnológico Nasdaq fechou a perder 3,35 por cento (61,28 pontos), fechando o dia nos 1.766,19 pontos.

O alargado Standard & Poor's 500 desvalorizou 3,06 por cento (28,19), para os 893,04 pontos, de acordo com os números definitivos de fecho.

A penalizar as negociações esteve a previsão do Banco Mundial que estimou hoje uma contracção de 2,9 por cento do produto interno bruto (PIB) de todo o mundo para este ano, sendo que a previsão vai afectar sobretudo os países em desenvolvimento, em que o crescimento deverá ser, no máximo, de 1,2 por cento.

"O mercado está relativamente frágil porque tinha recuperado bastante por causa das previsões de melhorias económicas. Por isso, assim que começamos a falar da conjuntura de forma negativa, ela contrai-se um pouco", considerou Gregori Volokhine, da sociedade Meeschaert New York.

Os títulos das empresas energéticas e mineiras foram dos que baixaram mais na sessão de hoje, com a petrolífera Chevron a desvalorizar 3,38 por cento e a produtora de alumínio Alcoa com perdas de 8,91 por cento.

Os índices de Wall Street tinham valorizado quase 40 por cento entre o início de Março e o final de Maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.