Unicer envia 120 milhões de litros de cerveja para Angola

aposta A Unicer, que assegura já uma quota de 80% do total das exportações portuguesas para Angola, deve este ano conseguir a sua melhor performance de sempre neste mercado, com 120 milhões de litros de cerveja exportados, mais 20% do que em 2009. Um valor que equivale ao envio de praticamente mil contentores mensais, diz o presidente executivo da Unicer, António Pires de Lima, admitindo que a empresa deve, este ano, ser o maior exportador português para aquele país africano, onde apresenta hoje à noite o sistema de abertura fácil (pull off) na Super Bock mini.

Mas a aposta no mercado angolano não fica por aqui. A Unicer vai construir uma fábrica no país, num investimento que ronda os 80 milhões de euros. Pires de Lima admite que o processo "está a evoluir mais lentamente do que o previsto". O projecto remonta a 2003, mas os contratos com os sócios locais só em finais de 2009 foram assinados. O terreno, de 80 hectares, já foi comprado e o dossier de financiamento está a ser tratado. "Temos de respeitar os timings deste tipo de projectos. Já não me atrevo a dar datas", afirma.

A expectativa de Pires de Lima é de que a nova referência pull off de tara perdida "possa acrescen-tar cinco a seis milhões de litros às vendas da Super Bock em Angola".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.