UE vota redução dos preços de "roaming", SMS e Internet

O Parlamento Europeu vai votar quarta-feira, em Estrasburgo, a nova legislação que levará à redução, já a partir de 01 de Julho, dos preços das chamadas de telemóvel, mensagens escritas (SMS) e de utilização de Internet no estrangeiro.

Reunidos entre terça e sexta-feira, na penúltima sessão plenária da actual legislatura - a derradeira antes das eleições europeias realizar-se-á no início de Maio -, os eurodeputados deverão aprovar o acordo alcançado entre os representantes do Parlamento Europeu e do Conselho sobre a fixação de limites máximos para as tarifas das chamadas, mensagens e dados em roaming.

A nova legislação prorroga a aplicação do regulamento de 2007 relativo ao "roaming" no que se refere às chamadas de voz e alarga o seu âmbito de aplicação de modo a incluir as mensagens escritas e os serviços de dados em roaming.

Deste modo, a partir de 1 de Julho próximo, o valor retalhista (excluindo IVA) da "eurotarifa SMS" que um prestador doméstico pode cobrar aos clientes por uma mensagem em roaming não poderá exceder 11 cêntimos, quando, actualmente, as tarifas são, em média, de 28 cêntimos, chegando aos 0,80 euros em alguns países.

Quanto aos serviços de dados, o preço-limite grossista será, a partir de 1 de Julho, de 1 euro por megabyte, descendo para 0,80 euros por megabyte a partir de Julho de 2010 e para 0,50 euros por megabyte a partir de Julho de 2011.

Entre outros "dossiers" que a assembleia se prepara para "fechar" antes de concluída a legislatura, encontra-se a legislação sobre mercado interno da electricidade e do gás.

Neste caso, os eurodeputados deverão aprovar, também quarta-feira, uma nova legislação que estabelece três modelos diferentes de separação no mercado comunitário da electricidade e do gás natural, reforça os direitos dos consumidores e prevê a criação de uma Agência de Cooperação dos Reguladores da Energia.

Um dos aspectos da nova legislação é o reforço dos direitos dos consumidores, com as novas regras a preverem que se um cliente quiser mudar de fornecedor de gás ou electricidade, essa mudança deve ser efectuada pelo operador em causa no prazo de três semana, devendo os clientes receber um apuramento de contas o mais tardar seis semanas após a mudança de fornecedor.

Outra proposta de lei sobre a qual o Parlamento Europeu se vai pronunciar esta semana é a directiva que estipula que os doentes têm o direito de beneficiar de cuidados de saúde no estrangeiro e ser reembolsados até ao montante que seria pago caso recebessem os mesmos cuidados no país de origem.

Os eurodeputados apresentam várias alterações à proposta inicial da Comissão Europeia, propondo designadamente a criação de uma câmara de compensação para facilitar o reembolso aos pacientes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.