Lucros de 4 bancos sobem 53 milhões até Setembro

Os quatro grandes da banca privada lucraram 4,1 milhões de euros por dia no terceiro trimestre deste ano. O BES obteve o maior resultado, atingindo os 405,4 milhões

Em plena crise económica e financeira, os quatro maiores bancos privados portugueses lucraram até Setembro mais 53,4 milhões de euros do que em igual período do ano anterior. Ou seja, a caixa registadora da banca marca lucros de 4,1 milhões de euros por dia, apesar das dificuldades de financiamento nos mercados externos.

No total, BES, BCP, BPI e Santander Totta obtiveram resultados líquidos no valor de 1122,2 milhões de euros, traduzindo um crescimento da ordem dos 5% face aos ganhos dos primeiros nove meses do ano passado.

Todas aquelas instituições reforçaram os seus lucros, à excepção do Santander Totta, que baixou os resultados em 11%, mas apenas devido a um reforço das provisões para fazer face ao período mais difícil que se avizinha. Já os crescimentos dos restantes bancos foram expressivos, oscilando entre os 10,8% e os 22% obtidos pelo Millennium bcp.

As contas dos grandes da banca privada para o terceiro trimestre ficaram ontem completas, com a apresentação dos resultados do Banco Espírito Santo (BES). No terceiro trimestre, o BES obteve um lucro de 405,4 milhões de euros - o maior em volume de toda a banca -, que significa um crescimento de 12,4% em termos homólogos. Isto traduz uma rendibilidade dos capitais próprios anualizada de 9,1%, quando no ano passado tinha sido de 10%. Os três outros bancos fizeram a apresentação dos seus resultados trimestrais ao longo das últimas semanas.

A instituição liderada por Ricardo Salgado superou mesmo a média das estimativas, com muitos analistas a não terem antecipado um crescimento além dos 7,8%. Uma performance que pode originar revisões em alta das estimativas sobre o banco para o total do ano.

Apesar de o resultado das operações em Portugal ter sido positivo, com os lucros a crescerem 2,3% na actividade doméstica, o crescimento veio essencialmente do exterior, que contribuiu em 41% para o resultado consolidado do banco.

"O resultado das unidades internacionais totalizou 166,2 milhões de euros, que corresponde a um aumento de 30,9%", refere o BES. Esse aumento chega mesmo a ser de 52,1% numa base comparável caso se ajuste o resultado do BES Angola, a Setembro de 2009, de acordo com o actual nível de participação no grupo.

O crédito a clientes cresceu 6,5% (em Junho esse aumento tinha sido de 9,7%) com um forte contributo da área internacional, em que os empréstimos concedidos aumentaram 14,3%. Foi o crédito a empresas que registou maior dinamismo, com a carteira a aumentar mais 8,9%, ou seja, mais 3,1 mil milhões de euros.

Neste capítulo, Ricardo Salgado aproveitou para garantir que não haverá diminuição na concessão de crédito, apesar de defender a necessidade de a economia portuguesa fazer uma desalavancagem. Mas"vai haver reduções do crescimento do crédito e vai haver venda de crédito a nível internacional", admitiu o presidente do BES na conferência de imprensa de apresentação de resultados.

Quanto à nova taxa sobre a banca, Ricardo Salgado considerou-a como "um impacto fiscal muito gravoso", adiantando que , no mínimo, o BES terá de pagar 6,5 milhões de euros, acreditando que, no final, acabará por pagar um valor intermédio de 18 milhões de euros.

O BES afirma que a situação de liquidez do banco tem evoluído no sentido de um menor recurso ao financiamento do Banco Central Europeu, mas sublinha que tem nove mil milhões para apresentar como colateral junto da autoridade monetária.

Os quatro maiores bancos privados a operar em Portugal fecharam o ano de 2009 com lucros totais de 1445,6 milhões de euros, o que já representou um crescimento de 13,7% face a 2008, um ano fortemente abalado pela crise do subprime.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.