Instituições financeiras não convencem reguladores

Os 20 maiores bancos do mundo empolaram as mudanças reportadas aos reguladores sobre a melhoria na gestão do risco e no reforço da supervisão em resposta à crise que provocou prejuízos de 1,11 biliões de euros, anunciaram os reguladores.

 

Reguladores acusam bancos de anunciarem mudanças maiores do que adoptaram na realidade

Os bancos norte-americanos e europeus forneceram às autoridades dados que foram "consideravelmente mais favoráveis" do que as avaliações conduzidas pelos reguladores, revelou um relatório citado pela agência de informação financeira Bloomberg que contou com o contributo da Reserva Federal norte-americana (Fed), da Securities and Exchange Comission (SEC) e da Autoridade de Serviços Financeiros britânica (FSA), entre outros.

Os questionários estavam focados em tópicos como a identificação de riscos, as políticas de compensação e a liquidez dos bancos para resistirem à crise e, segundo o relatório de 36 páginas libertado na quarta-feira, os "supervisores não estão convencidos que as instituições financeiras estão a fazer uma análise completa e profunda às melhorias necessárias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.