Comprar casa agora é bom se não for ao banco

crise Os juros estão a subir, a prestação da casa também e os bancos só emprestam a quem tiver cerca de 20% do preço da casa, mas as mediadoras estão seguras de que este é um bom momento para comprar. "Dificilmente nos próximos dez anos teremos condições tão favoráveis", disse ao DN/Dinheiro Vivo o director-geral da ERA, Miguel Poisson.

Desde 2008 que os preços das casas têm vindo a descer. De acordo com a presidente executiva da Remax Portugal, Beatriz Rubio, os preços têm descido 5% a 10%, dependendo das zonas. Números que são apoiados pelos mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelavam que, em Maio, as avaliações bancárias desceram pela primeira vez em seis meses. Dados divulgados na semana passada mostram que o preço médio do metro quadrado em Portugal desceu para 1149 euros, menos cinco do que no mês anterior. O Grande Porto foi o mais penalizado, caindo 15 euros, para 1068 euros. Na Grande Lisboa, a avaliação desceu seis euros, estando agora nos 1380 euros.

Algarve e Alentejo foram as únicas subidas, com o Algarve a manter-se a zona mais cara do País. Em Maio, os preços por metro quadrado valorizaram 15 euros, para 1456 euros. No Alentejo, as avaliações subiram cinco euros, para 1040. A subir mais ligeiramente está Braga (mais três para 930 euros).

Segundo Beatriz Rubio, esta "é uma boa altura para comprar, para quem tem capital disponível" e não precisa de ir ao banco pedir um empréstimo. É por isso que Miguel Poisson considera que o mercado está particularmente interessante para quem queira comprar para arrendar. Rubio diz que esta é "também uma boa altura para vender", se o objectivo for trocar de casa: "O valor para venda desceu, mas o preço das casas que as pessoas procuram também baixou, favorecendo bons negócios". Destaca ainda que a compra dos imóveis à banca - resultado de situações de incumprimento - são um bom negócio. "Têm melhores preços e boas condições de financiamento" - 100%. Ana Baptista

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.