150 anos de prisão para o autor da maior fraude de sempre

Madoff foi ontem condenado à pena máxima para dar uma  mensagem "o mais dura possível", disse o juiz. Gestor vai conviver com criminosos de todo o tipo na prisão, apesar de esta não ser a maior pena da história.

Mais de seis meses depois de ter sido conhecida a gigantesca fraude provocada por um esquema piramidal, Bernard Madoff, 71 anos, foi ontem condenado a 150 anos de prisão, naquela que é considerada a maior burla financeira de todos os tempos.

É preciso deixar uma mensagem o "mais dura possível", considerou o juiz Denny Chin, ao anunciar a condenação de Madoff por 11 crimes. A pena aplicada ao ex-presidente do Nasdaq é a máxima possível para o tipo de delitos porque foi condenado, apesar de Madoff ter pedido desculpa às suas vítimas, em declarações no tribunal.

"Como se pode desculpar uma esposa durante 50 anos? Como se pode desculpar ter defraudado uma indústria que se ajudou a construir? Deixo um legado de vergonha", afirmou Bernard Madoff em tribunal, onde não tinha qualquer membro da sua família presente.

O julgamento, que decorreu sob um intenso aparato mediático e com uma multidão de vítimas à porta do tribunal de Nova Iorque, começou com os testemunhos de alguns dos lesados (ver caixa ao lado).

Seguiram-se as declarações do advogado de defesa, Ira Sorkin. "Se Madoff voltar a ver a luz do dia, ele regressará com 90 anos, pobre e abandonado, e terá pago um preço terrível". Isto porque, numa carta enviada ao juiz, a defesa do gestor pedia uma sentença que não excedesse os 20 anos de cadeia.

No entanto, e num curto espaço de poucos meses, o tribunal sentenciou o financeiro à pena máxima: 150 anos de prisão.

O juiz recomendou que Bernard Madoff fique preso no nordeste dos Estados Unidos. Embora ainda não se conheça qual a prisão escolhida, é quase certo que o gestor terá de partilhar o seu espaço com criminosos de todo o tipo, como assassinos, violadores e traficantes de droga.

Apesar de ter sido condenado com o tempo máximo permitido para os crimes que cometeu, Madoff não recebeu a maior pena de sempre. O recorde pertence a Sholam Weiss, um gestor de Nova Iorque que em 2000 foi condenado a 845 anos de prisão por um esquema de fraude que retirou 320 milhões de euros de uma seguradora. Em 2008, Norman Schmidt foi sentenciado a 330 anos de prisão devido ao seu papel num esquema de investimento fraudulento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.