Harvard perdeu quase 11 mil milhões de dólares

A Universidade de Harvard anunciou perdas de 10,9 mil milhões de dólares (7,5 mil milhões de euros) entre Junho de 2008 e Junho de 2009, correspondentes à queda de 30 por cento no valor do fundo de investimento da instituição.

O fraco desempenho das apostas de Harvard e de outras universidades dos Estados Unidos da América (EUA) no último exercício fica a dever-se à sua exposição a aplicações financeiras "exóticas" e à "inesperada" exposição aos investimentos de alto risco durante a crise, conforme noticia hoje o The Wall Street Journal.

Na categoria de "activos reais", que inclui investimentos em matérias-primas e imobiliário, as perdas aproximaram-se de 40 por cento, segundo o relatório publicado pela Harvard Management - gestora dos fundos da universidade norte-americana - que revelou ainda que a estratégia de investimentos da entidade já abdicou de parte dos riscos assumidos em anteriores aplicações.

Em termos médios, as universidades dos EUA perderam 18 por cento do valor dos seus investimentos no último ano, de acordo com os cálculos da consultora Wilshire Associates.

Na Universidade de Harvard, o recuo de 30 por cento na carteira de investimentos levou o valor global dos activos para 17,8 mil milhões de euros, batendo o anterior recorde de perdas das últimas quatro décadas, que datava de 1974, quando a instituição viu as suas aplicações financeiras recuarem 12,2 por cento.

Tal como Harvard, outras afamadas universidades como Yale, Stanford, Princeton e o Massachusetts Institute of Technology (MIT) também sofreram fortes desvalorizações das suas carteiras, devido às apostas arriscadas em produtos sofisticados que recuaram significativamente com a crise dos mercados.

Yale e Harvard, pioneiras na implementação deste modelo, garantiram que podem dar-se ao luxo de correr grandes riscos porque vão investir durante décadas, até séculos, o que lhes permitirá recuperar valor dos investimentos a longo prazo.

A carteira de activos da Universidade de Yale também sofreu uma desvalorização de 30 por cento, situando-se agora nos 10,9 mil milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.