Dividendo da PT deverá render até 481 milhões

Bancos prevêem que os accionistas portugueses da Portugal Telecom possam vir  a receber entre 65 cêntimos e 2 euros por acção como prémio pelo negócio de venda da Vivo.

O chamado "núcleo duro" dos accionistas portugueses da Portugal Telecom (PT) pode vir a receber quase meio milhão de euros em dividendos extraordinários pela venda da Vivo aos espanhóis da Telefónica. A administração da operadora portuguesa já terá iniciado esta semana uma ronda de reuniões com os principais accionistas do grupo liderado por Zeinal Bava e, embora a decisão final sobre a atribuição de dividendos não deva ser anunciada antes da conclusão do negócio de entrada na Oi - previsto para o final de Outubro -, já foram avançadas várias previsões para os prémios a distribuir pelos accionistas (ver quadros em baixo).

As previsões de alguns bancos internacionais, como Barclays, Goldman Sachs, UBS, HSBC ou JP Morgan apontam para que o dividendo a distribuir pelos accionistas como forma de prémio pela conclusão do negócio de venda da Vivo, que rendeu 7,5 mil milhões de euros, se situe entre os 0,65 euros e os 2 euros por acção. Contas feitas, estes são valores que, no caso dos principais accionistas portugueses da PT - BES (7,99%), Caixa Geral de Depósitos (7,30%), Ongoing (6,77%), Visabeira (2,53%) e Controlinveste (2,28%) -, podem significar uma receita que varia entre os 156,6 milhões de euros e os 481,7 milhões de euros.

Como maior accionista da operadora portuguesa, o Banco Espírito Santo é o que mais pode ganhar com a distribuição de dividendos. Segundo as contas do DN, o banco liderado por Ricardo Salgado pode encaixar entre 46,6 milhões de euros (no caso de um dividendo de 0,65 euros) e 143,3 milhões de euros (prémio de 2 euros, previsto pelo HBSC).

A seguir ao BES, é a Caixa quem mais pode ganhar com a eventual distribuição de um dividendo extraordinário: com quase 65 milhões de títulos da PT, a venda da Vivo poderá render ao banco público um dividendo que oscila entre os 42,5 milhões de euros e os 130,8 milhões de euros.

Por seu turno, a Ongoing, de Nuno Vasconcellos, deverá ganhar entre 39,5 e 121,4 milhões de euros com o dividendo extraordinário da operadora portuguesa, segundo as previsões dos analistas. Já a Visabeira poderá encaixar entre 14,7 milhões de euros e 45,3 milhões de euros (caso se confirmem as previsões do HSBC).

A fechar o núcleo dos principais accionistas portugueses da PT está a Controlinveste (proprietária do DN), que deverá encaixar qualquer coisa como 13,3 milhões de euros - no caso de um prémio mínimo - e 40,8 milhões de euros, se se confirmarem as previsões do HSBC de um dividendo de 2 euros por acção.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG