Autores

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

PremiumHá empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".

Hospitais públicos recorrem ao privado para alugar equipamento

PremiumOs equipamentos hospitalares estão obsoletos e não são substituídos, sendo necessário por vezes recorrer aos privados para alugar aparelhos em falta. Também as infraestruturas precisam de restruturação ou de novos edifícios, mas falta verba. O Conselho de Ministros aprovou nesta quinta-feira 91 milhões de euros para contornar estas situações em dez hospitais, mas no ano passado estimava-se que seriam precisos mil milhões para resolver estes problemas em todos os hospitais portugueses.