Autores

Bicicleta de montanha. O Lado B de José Mendes

ExclusivoPercorrer o país de Bragança a Sagres de bicicleta. Dez dias, mil quilómetros sozinho, com uma mochila de três quilos e sem alojamento marcado. Esta foi a "aventura" que José Mendes, de 59 anos, ex-secretário do Estado do Planeamento do governo de António Costa, fez no verão passado e que espelha bem o seu gosto pelas bicicletas, o seu lado B. "Provou a minha tese de que o país é extremamente seguro e tranquilo, foi espetacular, adorei." Conta ao DN que esta "volta a Portugal" em bicicleta foi o aproveitar do "apuro de forma" de um ano de treino intenso nas poucas oportunidades permitidas pela profissão. O objetivo principal foi a participação numa prova de bicicleta de montanha "extremamente dura" na África do Sul, a Cape Epic, que leva ciclistas de todo o mundo a percorrer 655 quilómetros em oito dias. Mas, tal como tantas outras coisas, março de 2020 mudou as nossas vidas para sempre e os planos de José Mendes foram repentinamente alterados. "Treinei durante um ano, planeei as férias, vi no governo se podia ter esses dias e parti para a Cidade do Cabo, com o meu colega de equipa - a prova é feita em duplas. Mas quando aterrámos o mundo já era outro por causa da covid-19." A prova foi anulada na noite antes da partida. O português e o colega de equipa ainda fizeram uma etapa informal - a foto nesta página é de um treino por lá -, mas a corrida depressa passou para os aeroportos na tentativa de conseguir um voo de regresso a Portugal. Para o futuro não tem nada destas grandes aventuras planeadas, "apenas" umas provas fora de estrada, como neste fim de semana com dois dias inteiros passados a pedalar com um grupo de amigos no Alentejo. "Cada vez há mais pessoas a pedalar na montanha, há um movimento fantástico de adesão às bicicletas ." O segredo da (boa) forma e da resiliência para as tiradas longas em cima da bicicleta é simples, para José Mendes: "É treino e adaptação do corpo. Não há nada de transcendente nisto." filipe.gil@dn.pt

Automóveis. O lado B do actor e humorista Pedro Alves

"O meu pai esteve sempre ligado ao meio automóvel. A minha paixão pelos automóveis começou por aí, aliás, era o que queria fazer da minha vida". Mas entretanto, pelos 16 anos, a rádio meteu-se no caminho, e mais tarde os sketchs humoristicos na televisão, os espetáculos, a música, o cinema e agora as telenovelas. E com isso os motores, passaram a ter um papel secundário na vida de Pedro Alves. Atualmente, é um dos protagonistas da nova telenovela da TVI Festa é Festa onde faz o papel de presidente da junta, que também é "presidente do clube de hóquei, presidente da casa do povo e também coveiro. É um registo normal mas com grande vertente humoristica. É um produto leve".

Surf. O lado B de Pedro Adão e Silva

ExclusivoIniciou-se no surf, nas ondas da Costa da Caparica, na década de 1980, da mesma forma como tantos outros: "Primeiro a fazer carreirinhas com pranchas de esferovite, depois no skimming, a seguir com o muribugui - como era conhecido o bodyboard - e depois o surf. A usar pranchas em 14.ª mão, a aprender a olhar para os outros." Esse é o lado B de Pedro Adão e Silva, 46 anos, professor no departamento de Ciência Política no ISCTE, e presença assídua como comentador em vários órgãos de comunicação social - entre os quais a TSF. O surf "é uma parte essencial da minha vida e daquilo que sou", diz. E o seu conhecimento de causa levou-o a ser colunista da revista Surf Portugal e a escrever um livro sobre as melhores praias para surfar em Portugal - Tanto Mar, À Descoberta das Melhores Praias de Portugal. Hoje a "sua praia" é a do Malhão, em Vila Nova de Milfontes, onde passa férias regularmente.