Uma galáxia distante mas que é muito cá da Terra: Star Wars

A contagem decrescente para O Despertar da Força chegar às salas de cinema abre uma brecha temporal para recordar toda a história da saga de George Lucas no registo da banda desenhada

O ano de 2019 já está na agenda dos fãs da saga Star Wars (Guerra das Estrelas) porque será o momento em que o episódio IX chegará aos ecrãs dos cinemas de todo mundo. Mas numa galáxia muito distante, aquela onde está a Terra, ainda é o sétimo episódio da série criada por George Lucas que enlouquece os espectadores que no dia 17 de dezembro pretendem assistir à estreia de O Despertar da Força (alerta: a 26 de maio de 2017 sairá o episódio VIII ).

A presença dos protagonistas originais é o grande isco neste regresso cinematográfico. Afinal, Mark Hamill, Carrie Fisher e Harrison Ford nunca abandonaram as mentes febris e para sempre dominadas pela força negra desde que viram o que fora filmado nos desertos de Tunísia a imitar Tatoine, na recriação dos mitos de Alderaan, nos estranhos pântanos de Yoda em Dagobah, ou dos hangares de planetas onde os rebeldes se refugiavam da Estrela da Morte em subterrâneos.

Se as imagens que chegaram aos cinemas surpreenderam os adeptos da ficção científica, houve um outro plano da imagem que não resistiu à força: a banda desenhada. A (nona) arte, aquela em que ainda se poderia ir mais além porque o desenho permite o que a tecnologia não consegue e que só vai surgindo aos poucos nas telas.

A sátira de Jeffrey Brown

Se o regresso de Star Wars arrasta um mar de marketing e de merchandising, a bibliografia de banda desenhada não lhe fica atrás. E não se trata dos pequenos álbuns não canónicos em que Jeffrey Brown faz uma divertida sátira daquele que já é considerado o maior vilão do cinema, Darth Vader. Depois de se ter divertido com a Academia Jedi, o americano decidiu fazer uma série de cartoons já editados no nosso país: Darth Vader e Filho, Darth Vader e a Sua Princesinha e Boa Noite Darth Vader.

Os guias

Tudo começa no episódio IV, Guerra das Estrelas, a que traça o rumo das sequelas e das prequelas. O argumento é simples: O Império constrói a Estrela da Morte, a arma que destruirá a Aliança Rebelde contrária à tirania do imperador Palpatine. Darth Vader captura a princesa Leia, que roubara os planos do dispositivo mortífero e o robô C-3PO transmite a Luke Skywalker um pedido de socorro, para o que contará com a ajuda de Han Solo, Yoda e os jedis.

Está lançada a história que quem desejar pode perceber ao milímetro através de dois guias, um para os mais novos e outro para adultos. O primeiro intitula-se Rebeldes Star Wars - O Guia Visual e explica tudo de forma direta e simples sobre esta série inspirada da saga. O que é o Império? Como funcionam as Espingardas-Bô? E o sabre de luz?

O segundo intitula-se Star Wars - Guia Visual Definitivo e é de autoria de Ryder Windham, que foi o editor responsável de mais de 60 livros sobre a série. Um álbum a cores com 200 páginas que está "atualizado e aumentado" e serve para os que entraram na saga depois do período áureo dos episódios IV a VI, pois o volume começa pelo princípio. Do tempo da Grande Guerra Sith (1), da Guerra dos Clones (2), dos tempos em que os Jedi estão em fuga (3), da Guerra Civil (4 e 5) e da Nova Era (6).

Outro dos interesses deste guia é o que oferece sobre os bastidores: como Lucas inventa o conceito da galáxia, a luta para ultrapassar a ausência de tecnologia no primeiro trio de filmes, e a produção das maquetas iniciais não digitais dos veículos espaciais e de monstros e elenco não humano que entra nos filmes "primitivos". A terminar, para os colecionadores, existe uma listagem ilustrada de todos os brinquedos, legos, jogos de vídeo, publicações e mais memorabilia.

A história condensada

Compreender o episódio inicial, o IV, e visualizar toda a saga (I a VI) é o que permitem dois dos álbuns agora também lançados: Star Wars - As Aventuras de Luke Skywalker, Cavaleiro Jedi e Star Wars - Episódios I-VI, a História desde o Princípio. Ambos dedicados ao público mais jovem, assim como uma espécie de guia de formação intensiva sobre uma galáxia distante mas que mais parece ser terrestre tal é o modo de convivência entre a ficção e a realidade.

O autor do argumento do primeiro volume faz uma introdução muito curiosa: "Talvez seja difícil de imaginar, mas houve uma altura em que a Guerra das Estrelas não fazia parte da nossa cultura popular. Só existia na imaginação de um homem: George Lucas. As ilustrações do seu texto são de Ralph McQuarrie e resultam de um diálogo do artista com o cineasta.

O segundo volume mais parecerá aos mais velhos uma fotonovela do que qualquer outra coisa, pois é um imenso espelho fotográfico dos seis episódios da série, que combinam os pontos fundamentais do que acontece nos filmes, proporcionando uma primeira aproximação visual à saga.

Das novidades literárias sobre Star Wars só falta referir as 600 páginas de Star Wars - A Saga Completa, de vários autores. E para este volume é preciso reservar umas boas horas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG