The Gift dão música em Washington

Os The Gift iniciam, na segunda-feira, uma semana de concertos de música portuguesa no Kennedy Center, em Washington, no âmbito do programa "Iberian Suite", dedicado às artes de Portugal e Espanha e da lusofonia.

A banda pop de Alcobaça tem estado em digressão a celebrar os vinte anos de carreira, embora a data 'redonda' tenha sido cumprida em 2014. O concerto em Washington será também no âmbito dessa comemoração.

Na terça-feira, no mesmo palco - o Milllenium Stage - do Kennedy Center, será repartido com atuações das cantoras Sofia Ribeiro e Luísa sobral, dois nomes que partilham uma identidade próxima do jazz. À boleia desta viagem, Luísa Sobral estará também esta semana no South by Southwest, no Texas.

António Zambujo, que publicou recentemente o álbum "Rua da Emenda", apresentar-se-á em Washington na quinta-feira, regressando de seguida a Portugal, para prosseguir a digressão nacional.

Rodrigo Leão, que este mês se prepara para apresentar um novo espetáculo, baseado no álbum "A vida secreta das máquinas", apresenta-se na sexta-feira, no Kennedy Center.

Os cinco concertos previstos, todos de entrada gratuita, contam com a parceria do Arte Institute, um organismo independente que tem divulgado a cultura portuguesa nos Estados Unidos.

No arranque da mostra cultural "Iberian Suite", no passado dia 05, atuaram os fadistas Carminho e Camané, acompanhados da Orquestra Sinfónica Nacional dos Estados Unidos.

A mostra cultural termina no dia 24.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.