The Edge: A primeira estrela rock a atuar na Capela Sistina

O guitarrista dos U2 tocou e cantou quatro temas para médicos, investigadores e filantropos.

The Edge, o guitarrista dos U2, tornou-se no sábado à noite na primeira estrela do rock a atuar na Capela Sistina, no Vaticano. O músico atuou para uma plateia de cerca de 200 pessoas, que incluía médicos, investigadores e filantropos, que participavam numa conferência sobre medicina regenerativa.

O músico interpretou quatro temas: um cover de If it be your will, de Leonard Cohen, e as músicas dos U2 Yahweh, Ordinary Love e Walk on, com o apoio de um coro de sete adolescentes irlandeses.

The Edge, cujo verdadeiro nome é David Evans, brincou com o facto de ter sido convidado para atuar na Capela Sistina, que considerou "a mais bonita do Mundo". "Não sabia o que dizer porque normalmente há outro tipo que canta", disse, referindo-se a Bono, vocalista dos U2.

Comprometido com a luta contra o cancro e pela prevenção da doença - o pai morreu no mês passado com cancro e a filha venceu a leucemia - The Edge dedicou Walk On ao Papa Francisco, que descreveu como o Papa do povo. "Ele tem feito um trabalho fantástico e pode continuar por muito tempo", defendeu.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.